Colunistas

Publicado: Domingo, 27 de março de 2016

Igreja nascente

Igreja nascente

 

PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO

Liturgia do Ano “C”, de Lucas

Domingo, 27.03.2016

 Evangelho (João, 20, 1-9)

...............................................................................................................................

"    No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo.

Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse:

“Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram”.

Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo.

Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.

Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte.

Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo.

Ele viu e acreditou.

De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.    "

...............................................................................................................................

A natureza humana é perfeita no que tem de essencialmente natural e particular a cada pessoa. Inexiste duplicidade de sentimentos e de ideias. Cada um é um ser típico e diferenciado nas suas reações. Às vezes ocorrem situações que até pareceriam iguais e perfeitas mas que, vistas a fundo, se diferenciam sempre.

Madalena encontra o túmulo aberto. E a quem ela se dirige? Diretamente a Pedro e João, este, repetidamente dito, o discípulo que Jesus amava.

Há de significar essa classificação a mesma reação e modos que cada ser humano tem para com os seus semelhantes. Aparecem então os tipos de amizade e afeto diferenciados, justamente pelo milagre de que não há dois seres humanos a reunir identidade plena entre si. A variedade e a intensidade se alteram e, muito naturalmente, de uma pessoa para outra.

Esta primeira consideração se faz para mostrar que, na letra do evangelho, não são poucos os instantes em que o devotado Pedro também se sobressai a todos, nas horas difíceis daquele colegiado inicial. O primeiro, sempre, a se disponibilizar.

À frente do túmulo vazio, João queda-se à entrada e Pedro, ofegante e alguns minutos depois, entra diretamente e sem nenhum receio.

Entre mil caminhos interpretativos dessa passagem eloquente dos evangelhos, deixa-se entrever que, de todo modo, Jesus que conhece a alma de seus filhos, ao confiar as chaves a Pedro, revela que os juízos humanos, estes sim e com certeza, são falhos e de pouco alcance. Muito cuidado pois ao se formar juízo de terceiros ou, mais perfeitamente, jamais ousar fazê-lo, porque o recôndito do coração humano naquilo que lhe seja mais íntimo e característico, somente Deus o sabe e conhece.

A essa altura da vida e paixão de Jesus, o terceiro dia do seu passamento e da tumba encontrada vazia, João tem por missão amparar Maria, ali feita sua e de toda a humanidade a mãe, bem como Pedro logo mais a empunhar com mãos firmes o báculo da Igreja. Missões distintas a encarregados distintos, igualados ambos, no entanto, no amor a Deus acima de tudo.

Por isso e tudo o mais que de sagrado e divino a existir na religião cristã disseminada no mundo, além de Jesus na Trindade Una, tem-se Maria por mãe afável e acolhedora.

A essa hora e momento, os primeiros sinais da Igreja nascente a caminhar por si, assistida do alto por Deus Nosso Senhor.

                                                                                                    João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio