Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 19 de junho de 2019

História do jequitibá

Crônica História do Jequitibá

            E lá vou, uma vez mais,  compor o meu escrito com uma história, que não é minha,  minha só a maneira de contar. O leitor tanto pode achar fruto da minha imaginação ou história contada por outros escritores.

            Eu vou contar uma pequena história de alguém que quis viver sozinho e caiu em solidão.

            “Num chão duro e seco que poderia ser o nosso Nordeste, caiu uma semente de Jequitibá. Como vocês sabem, o Jequitibá é uma das maiores árvores do mundo.

            Essa semente ficou ali, e foi sugando toda umidade que conseguia, até que brotou. E quando o jequitibá brotou, ele viu que era igual a uma porção de plantinhas que havia por perto.

            Então sem se preocupar com ninguém, o jequitibázinho pensou num jeito de crescer e espalhar suas raízes.

            Durante a noite, absorvia  toda gotinha de sereno, qualquer aguinha era dele. De dia, se escondia debaixo da sombra das outras plantas para não se queimar daquele sol fortíssimo.

            E o Jequitibá foi crescendo, cresceu tanto que se tornou uma enorme árvore, e quando adulta, sentindo-se realizada, procurou à sua volta, outra árvore para conversar, contar sua experiência, bater um papo sobre sua aventura.

            Mas... Nada ... O Jequitibá havia sugado todas as plantas ao seu redor e elas acabaram morrendo e ele constatou, com muita tristeza, que estava sozinho... E infeliz por não poder compartilhar sua vida com ninguém.

            “Então sozinho não viu mais sentido para continuar a viver e começou a se autodestruir”. Pensando bem  esse jequitibá tem nome : Poderia ser João, José, Maria ou Tereza. O homem ou mulher do tipo do Jequitibá são sempre ocupados consigo mesmo.

            Há um comercial na televisão que diz assim: O que você vai ser quando crescer?  E sugere: O que você vai ser quando envelhecer?

            A percepção do vazio existencial pode se instalar com os anos.  Será que não está na hora de começarmos a planejar como gostaríamos de passar o resto da nossa vida? Será que estamos preparados para viver sozinhos?

            Lembrando-se do jequitibá ele colheu o que plantou!

Ditinha Schanoski

Comentários

Varanda da Saudade

Ditinha Schanoski

Ditinha Schanoski

Jornalista ituana, trabalhou no jornal A Federação e é articulista de vários jornais e revistas. Membro da ACADIL, SACI, UARD, Gvcmi e outros grupos. Agraciada com diversos prêmios, como a Medalha Dom Gabriel. Nomeada Profissional Ético de 2014.

Arquivo

14 dias atrás

Não vou dizer Adeus

14 dias atrás

Não vou dizer Adeus

22 dias atrás

O olhar do Poeta

20 de setembro de 2019

Meu baú de memorias

20 de setembro de 2019

Meu baú de memorias

Ariza Centro Veterinrio