Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Gaiolas douradas

 

Celestina contempla tristemente o belo pássaro silvestre preso na gaiola e imagina que um dia ele foi livre, dono do espaço infinito, dono de si mesmo, até que, maldosamente alguém lhe preparou a armadilha onde ele, inocente, sem conhecer a maldade dos humanos adentrou e, ato continuo, uma tampa desceu impedindo-o de sair.

Foi levado para a casa de seu algoz que, insensível a sua angustia, prendeu-o em uma bonita gaiola dourada onde ele tem sempre comida, água, sol e sombra na medida certa, é admirado por quantos o veem, mas não tem a liberdade de ir e vir garantida por lei aos seres humanos e que, certamente, deveria ser extensiva aos animais.

Seu canto é melodioso e absorvente, único meio de extravasar a sua dor, sua saudade, sua revolta, passando aos que o ouvem a impressão de uma alegria que ele está muito longe de sentir A moça identifica-se com a ave cativa.

Também ela foi livre e feliz até o dia em que se casou com a pessoa errada.

O casamento foi como uma armadilha que a aprisionou aos caprichos de um homem rico, poderoso, mas grosseiro e egoísta.

Como aquele pássaro, ela também parece ter tudo para ser feliz, mocidade, beleza, excelente posição social, conforto, luxo, regalias muitas vezes invejada por aquelas que não sabem a dor que se esconde por trás de seu sorriso fácil, de sua aparente felicidade e nem sequer imaginam o quanto é triste a sua dourada prisão..

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida