Colunistas

Publicado: Sábado, 5 de novembro de 2016

Filhos afortunados de Deus

Filhos afortunados de Deus

 

 

FESTA DE TODOS OS SANTOS

Domingo, 6.11.2016 – Ano “C” de Lucas

Evangelho, cfe. Mateus 5, 1-12

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se.

Os discípulos aproximaram-se, e Jesus começou a ensiná-los:

“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados.

Bem-aventurados  os mansos, porque possuirão a terra.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça,porque serão saciados.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.

Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos éus.

Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós por causa de mim.

Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus”.    “”

...............................................................................................................................

Página das mais nobres e relevantes dos Evangelhos, protótipo e anúncio veemente de promessas e misericórdia divinas, elas se constituem do que comumente se denomina como bem-aventuranças.

Discurso solene, brotado do íntimo e da generosidade do coração de Jesus.

Nesse rol de benemerências que se diriam gratuitas, conquanto dependam do reconhecimento, aceitação e prática dos fiéis e filhos todos de Deus na terra, consagram-se a segurança de viver depois o reino dos céus;

o consolo nas adversidades;

a vivência normal para o que a terra tem de transitório;

a segurança de que haja cedo ou depois justiça efetiva;

a possibilidade do exercício da misericórdia e por isso assegurada aos que pratiquem;

a certeza da visão beatífica de Deus nos céus;

serem filhos de Deus os capazes de promover a paz;

 a dádiva plena do reino dos céus se perseguidos por causa de uma pretensa justiça;

o gozo das bem-aventuranças a quem por causa de Jesus sofram injúrias, perseguição e mentiras; a mais completa e permanente alegria e exultação, eis que agraciados como recompensa eterna.

Apenas uma anotação do que viria em verdade se preconizar com o ser “pobre em espírito”. Sabidamente, riqueza e pobreza, comumente, são antagônicos, a ponto de que em escritos antigos, nos de erudição sacra, a referência se fazia com apenas o vocábulo “pobres”.

Sem nenhuma alusão ou reparo, ficam os favorecidos da sorte e que amealharam fortuna sem se escravizarem a ela, colocarem-se eles, a seu juízo e talante, perante o texto atual da Igreja.

Ademais, conquanto minuciosa as muitas faces das bem-aventuranças, não se trata de se fazerem excludentes entre si, mas sim e precisamente vive-las todas frutuosamente, nas mais variadas situações.

                                                                                 João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio