Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Festa de Cristo Rei

 É este o último domingo do Tempo Comum.

Avizinha-se, de outro lado, a partir de janeiro, a liturgia própria do Ano “A”, em que pontifica o evangelista Mateus.

Nesse entremeio, pois, do domingo vindouro ao fim do ano, ocorre o Tempo do Advento, preparatório para o Natal de Jesus.

Hoje, por despedida de Lucas e do Ano “C”, têm-se os versículos de 35 a 43, Capítulo 23.  Ei-lo:

 

*   *   *   *   *

“” Naquele tempo, os chefes zombavam de Jesus, dizendo: “A outros ele salvou. Salve-se a si mesmo se, de fato, é o Cristo de Deus, o escolhido!”

Os soldados também caçoavam dele; aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre e diziam: “Se és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo!”

Acima dele havia um letreiro: “Este é o rei dos judeus”.

Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo: “Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!”

Mas o outro o repreendeu, dizendo: “Nem sequer temes a Deus, tu que sofres a mesma condenação? Para nós é justo, porque estamos recebendo o que merecemos; mas ele não fez nada de mal.”

E acrescentou: “Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu reinado”.

Jesus lhe respondeu: “Em verdade eu te digo, ainda mesmo estarás comigo no paraíso”.

*   *   *   *  *

A crucifixão de Jesus, precedida dos passos penosos da ida ao Calvário, deu-se por fim num clima de ignomínia, levantado no madeiro entre dois infratores da lei. Isso, sem se falar no letreiro debochado que o apontava como rei dos judeus.

Em verdade, ali estava sim o Rei, mas de toda humanidade e dos céus e da terra!

Se o ladrão impenitente o provocou, o outro aproveitou daquele instante para se refazer espiritualmente, num ato de arrependimento dos males que em vida praticara. Confiou no poder e na misericórdia de Jesus e ali fora-lhe concedida a certeza da salvação.

Inequivocamente, ali, acabava de concretizar-se a primeiríssima canonização de um santo na Igreja Católica. A de São Dimas.

Importante colher esse fruto, tão evidente, de que a misericórdia divina é infinita e se opera em qualquer circunstância e momento. Basta haja o arrependimento sincero e a intenção veemente e clara naquela hora, de que não mais reincidir em pecado, a despeito de se conhecer a precariedade da vontade humana e que o malígno jamais descansa, nas suas tentações e golpes inesperados. Entretanto, para merecer o perdão – e é o que o sacerdote assegura no sacramento da Confissão – vale mesmo o sentimento do exato momento em que o homem busca se emendar.

No repertório popular, São Dimas é dito, mera expressão de carinho, como se fora o bom ladrão. Jeito de falar, claro.

Importante: busque-se incessantemente estar ao lado de Jesus – vale a pena! Aliás, mesmo que não se o perceba, está sempre e invariavelmente por perto de seus filhos. Amém.

                                                                                                      João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio