Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 18 de junho de 2009

Desde que retomada a série de domingos comuns, na liturgia, chega-se neste 21 de junho, com o Décimo Segundo.
O trecho dos evangelhos se contém no capítulo 4 de São Marcos, com os versículos de 26 a 34.
Leitura curta, direta.
 
Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos:
“Vamos para a outra margem”.
 
Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava, na barca. Havia ainda outras barcas com ele.
 
Começou a soprar uma ventania muito forte e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher.
 
Jesus estava na parte de trás, dormindo sobre um travesseiro.
Os discípulos o acordaram e disseram:
“Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?”
 
Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar:
“Silêncio! Cala-te!”
O vento cessou e houve uma grande calmaria.
 
Então Jesus perguntou aos discípulos:
“Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?”
 
Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros:
“Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?”
 
Deveras.
Leitura curta. Direta.
 
Mensagem, a mais objetiva possível.
 
A fé é um dom que chega a quem a deseje e ela não penetra o coração do homem, de maneira impositiva.
 
Há um momento em que é preciso criar disposição para se aninhar dentro de si essa primeira das virtudes teologais, a fé.
 
Em verdade, ao fazer-se evangelizado, este propriamente o instante em que se acolhe a crença, com o fato de se optar por Jesus Cristo, formal e conscientemente. Nos ritos e nas regras, seria, pois a hora do batismo de cada um.
 
Veja-se, pois.
 
O batismo é conseqüência da evangelização e, na Igreja, pais e padrinhos, falam pelo afilhado, o recém nascido. É sabido então que pela maneira quase apenas tradicional e costumeira da ocorrência do primeiro dos sacramentos, que se da parte dos que encaminharam o bebê à pia batismal não existe a espiritualidade necessária, o novo cristão cresce à própria mercê.
 
É nessas contingências que a fé de modo geral é fraca e pouco alimentada. Invoca-se a fé nos momentos de transe e de desespero. Na bonança da vida não há tempo nem necessidade de exercer a fé.
 
No comportamento dos cristãos, como regra, fiam-se todos num liame tênue de crença sem base e de práticas que, até por serem descuidadas, caem no ramerrão da mera rotina.
 
Fé implica em contato perene e consciente com Deus.
Fé é dom gratuito, que aceito, pede cultivo e cuidado.
Fé, é ela percebida raramente, no estoicismo dos poucos cristãos que no desalento e nos infortúnios, não se abalam.
 
Sabem que a barca da sua vida, mesmo que tremule, não afunda.
 
 
 
Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio