Colunistas

Publicado: Domingo, 26 de julho de 2009

Então me dei conta...

Era noite de uma terça-feira, quando um amigo telefonou: “Que está fazendo em casa?”. Respondi que trabalhava no computador, como sempre. “Quer vir à minha casa? Estou com um grupo de pessoas aqui, você gostará de conhecer”. Disse que tudo bem. Nem sempre posso estar onde e com quem desejo, então também não costumo ignorar chamados quando eles aparecem de improviso.
 
Fui recebido com alegria. Um grupo de dez pessoas conversava animadamente e logo me vi em meio aos assuntos variados. Ocasiões como essas me servem para o que chamamos de higiene mental, que tem a saudável função de nos desligar um pouco das preocupações e dramas do cotidiano. Como alguns ali não me conheciam ainda, em pouco tempo virei o assunto da roda.
 
Instigado por eles comecei a falar sobre a minha vida, os desafios da profissão, as situações que enfrentei para chegar até aqui, as dificuldades que enfrento e continuarei enfrentando como qualquer ser humano normal, as graças alcançadas e verdadeiros milagres concedidos por Deus para a minha felicidade. E foi então que me dei conta...
 
Tive um estalo, mas fiquei quieto. Era mais uma lição a ser aprendida. Continuei a conversa com todos por mais alguns minutos e então me despedi do grupo. Fiquei satisfeito por conhecer mais pessoas legais e entrei no carro feliz por ter aceito o convite daquela noite. No caminho para casa, refleti sobre o que eu mesmo tinha dito àquelas pessoas. E então me dei conta...
 
Nasci pequenino, com pouca saúde, em família humilde. Enfrentei perigos e dificuldades na infância, na adolescência, na juventude e na vida adulta. Com a graça de Deus, venci muitos obstáculos na vida pessoal, nos estudos e na carreira profissional. Participando da grande saga da humanidade ri e chorei, briguei e fiz as pazes, me alegrei e me decepcionei. E então me dei conta...
 
Dei-me conta de quantas graças Deus concedeu para que eu chegasse são e salvo a esta altura da vida, sem nem uma gota de prejuízo contra a minha integridade física, moral, psicológica e espiritual. Dei-me conta de quantas pessoas sofrem mundo afora, com problemas imensamente maiores que os meus, tenham eles acontecido no passado ou ainda presentes nas minhas atuais preocupações.
 
Dei-me conta de que no fundo somos relapsos com Deus. Dei-me conta de que esquecemos facilmente tudo o que a Providência Divina nos dá de presente. Dei-me conta de que, assim como superei os problemas que ficaram no passado, certamente o Senhor me permitirá vencer os desafios que surgirem no meu futuro, até o fim dos meus dias.
 
Quando percebemos o tamanho da preocupação do Criador para com suas criaturinhas, não há como ser ingratos. A vontade é ajoelhar no mesmo instante e louvar o Pai Celeste por amor tão grande, por cuidado tão amoroso. Ao mesmo tempo, nos sentimos amados e prestigiados, verdadeiros sortudos.
 
Sei que Deus também cuida daqueles que não estão nem aí para Ele. Deus é pai, não é padrasto. O mesmo bem que deseja aos filhos que O louvam, Ele deseja também àqueles que ainda não O reconhecem. Passa o tempo igual ao pai daquele filho pródigo, da parábola contada por Jesus. Seu amor e sua misericórdia são infinitas como sua paciência e sua esperança. Do céu o Pai Celeste enxerga o filho distante e diz a si mesmo: “Ele voltará... Eu sei que ele voltará...”.
 
Crescemos muito com as tribulações. Elas nos ensinam lições e nos fazem mais fortes. Mas podem nos afastar de Deus, principalmente se esquecemos que Ele é o grande condutor do Universo e que jamais nos abandonará à nossa própria sorte. Os problemas podem nos ocupar a cabeça de uma forma tal, que nos esquecemos de contar com a Providência Divina como a solução definitiva para aquilo que nos angustia.
 
Aos leitores e leitoras, proponho o seguinte exercício. Recorde-se dos tempos de infância e de juventude, nos vários setores de sua vida. Lembre-se dos acontecimentos mais dramáticos, dos piores problemas, das situações mais angustiantes, dos becos praticamente sem saída. Veja se todos já não foram superados. Veja se Deus presenteou-lhes com a superação dessas e de muitas outras coisas. Tenho certeza de vocês também se darão conta, igualzinho a mim...
 
Louvado seja o Senhor Deus, que fez o céu e a terra! Louvado seja o Pai Celeste que nos ama mais do que nós mesmos podemos compreender!
 
Amém!

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo

23 dias atrás

OBRIGADÍSSIMO, ITU.COM!

18 de setembro de 2019

Padre Bento e o Xis da Questão

7 de setembro de 2019

CATÓLICO MEIA-BOCA

Ariza Centro Veterinrio