Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Dúvidas, invejas, trotes e celulares

Século IXX

- Pai, disseram-me lá na corte que estão inventando um aparelho que fala.

- Que absurdo é esse?

- Não sei não. Quando apareceu o telégrafo ninguém acreditava que sinais pudessem ser transmitidos através de um fio de cobre, no entanto o telegrafo está ai. O telefone é o mesmo princípio só que transmite a voz.

- Mas, afinal, quem foi que lhe disse isso?

- O professor

- Os professores não deviam ficar enchendo a cabeça de vocês com essas bobagens.

O pai teve que admitir que quem estava falando bobagem era ele, pois, pouco tempo depois o telefone já estava funcionando para ninguém por em dúvida sua veracidade.

Século XX

Lembro-me que uma vez uma colega levou a escola um telefone de brinquedo. Nada mais era que duas caixinhas ligadas por um fio de cobre e através do qual, com muito boa vontade se ouvia alguns sons emitidos a ocasionalmente dava para entender algumas palavras.

Todos ficaram com inveja da Catarina. Eu não era exceção à regra e quis porque quis um telefone também.

E então o meu irmão fabricou um com latinhas vazias e um fio de cobre. Funcionava tão bem quanto o da Catarina embora fosse mais rústico.

Na época, poucas pessoas possuíam um telefone. O comum era se dirigir a Central e usar o aparelho a ela anexo. Era caro e só se usava mesmo para casos especiais.

Mesmo quem tinha o aparelho em casa precisava pedir a ligação à Central Era complicado e o serviço muito precário.

Quando os primeiros telefones automáticos foram ligados foi uma festa!

Qualquer um podia adquirir por preço razoável um aparelho para ser instalado na sua casa e usado à vontade.

Com a novidade, todo mundo queria experimentar o brinquedo novo e começaram os trotes:

- Alo! Quem está na linha? Saia depressa que o trem vem vindo hahahahaha

- Aqui é da Cia de Luz e Força. Estamos fazendo um reparo e precisamos que desligue a energia por uns minutos.

Meia hora depois:

Pode ligar. Desculpe ter feito você perder o final do jogo! Qual! Qua! Qua!

- É do Corpo de Bombeiros? Venha logo que está pegando fogo na caixa d’água! Heheheheh!

E por ai afora. Divertiram-se até o dia que chegou a conta da Telefônica surpreendendo a todos pelo seu valor.

Os trotes diminuíram. Quando alguém se aventurava recebia a resposta irônica:

- Você comprou o telefone hoje?

Século XXI

Mas verdadeira revolução foi quando surgiram os celulares.

Os primeiros eram grandes, pesados, caros e só os adquiriram quem realmente precisava deles.

Rapidamente, porém. Diminuíram de tamanho e de preço chegando até as mãos da classe mais pobre.

Não há quem não possua um, nem que seja financiado em vinte prestações, mesmo que não tenha dinheiro para carregar.

E o que mais se ouve por ai é

- Ligue pra mim. Estou sem crédito.

O outro que pague!

Em contrapartida foram aparecendo aparelhos com mil e uma sofisticações, relógio, televisão, internet, câmera fotográfica.

Minha bisneta de oito anos já tem há muito tempo o seu celular. Quando lhe contei como era o telefone feito pelo meu irmão ela respondeu com desdém

- Credo Bisa! Como você era pobre! 

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida