Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 12 de abril de 2010

Dr. da Alegria numa sinuca de bico

Dr. da Alegria numa sinuca de bico

Quem nunca ficou numa “sinuca de bico”? Dessas que o tempo para e a gente não vislumbra saída possível? Ficamos pasmos diante da situação, sem ação, sem palavras e pior, sem graça.

Em meu trabalho como um Doutor da Alegria, passei por algumas situações dessas.

O Dr. Comendador – esse é o nome de meu palhaço - e a Dra. Bifi (nos Doutores da Alegria os palhaços se apresentam como médicos besteirologistas, por isso o título de Dr) entraram num quarto onde estavam quatro crianças de mais ou menos sete ou oito anos. O quadro era bem ameno. Pelo menos à primeira vista era; nenhuma deformidade, nada de tubos pelo nariz nem criança careca, tampouco mãe chorando ou avó dormindo. Ótimo!

Nem me lembro como começamos a interação. Nosso trabalho é todo improvisado. Só sei que a coisa toda estava bem solta, divertida, com as crianças participando ativamente, dando ordens aos palhaços, tomando partido ora de um ora de outro. A certa altura a Dra. Bifi até jogou malabares dentro do quarto.

Aquele quarto estava sereno como um céu de brigadeiro.

Aí então o Dr. Comendador fez uma mágica e a Dra. Bifi desapareceu.

- A Dra. Bifi sumiu! Gente do céu... Ela desapareceu! E agora? Ela me abandonou, sumiu do mapa! Deixou-me sozinho! E agora como faço sem ela aqui comigo?

Comecei a procurar minha parceira embaixo da cama, atrás da porta, debaixo dos lençois das crianças e nada da palhaça aparecer. Sentei-me cenicamente desolado. Cotovelos apoiados nos joelhos e queixo repousado na palma das mãos. De lá onde estava, meu olhar cruzou o de uma das quatro meninas do quarto. Estabeleceu-se uma conexão especial. Tudo o mais deixou de existir, éramos nós dois e nada mais. Isso durou um fiapo de tempo, o suficiente para a garota sentir-se à vontade para contar-me um pouco sobre sua história:

 - Minha mãe morreu.

Foi seca, sem melancolia ou qualquer pesar aparente, só uma constatação: “Minha mãe morreu”. As quatro meninas permaneceram mudas olhando para mim. Parecia que esperavam para ver qual solução o palhaço daria para aquela questão. Afinal, palhaços são tão criativos.

Compreendi o paralelo que a garota estabeleceu entre a morte da mãe e o sumiço da palhaça. Ôpa! Bola fora. A garota parecia tão bem antes da nossa chegada. Perdi o rebolado. Fiquei desconcertado. E as meninas esperando qualquer atitude minha. E eu sem atitude nenhuma.

O desaparecimento da Dra. Bifi era uma mágica, na verdade uma farsa. Por sua vez, a morte da mãe tinha a crueza da vida. O Comendador poderia, como um Deus, encerrar o sumiço da parceira a qualquer momento, já no caso da morte da mãe...

Fiquei com cara de palerma. O que fazer numa situação destas? Algumas alternativas me ocorreram: Fazer-me de besta e fingir que não escutei o que ela revelou? Chorar abraçado junto com a criança? Inventar uma estória sensacional e poética sobre os desaparecimentos da mãe e da Dra. Bifi e acabar a cena com uma mensagem de otimismo? Trazer a Dra. Bifi de volta, mas confessar-me incapaz de fazer o mesmo com sua mãe? Ou perguntar quem mais havia perdido a mãe e fundar um clube dos órfãos alegres? Por um segundo, que para mim pareceu ter durado um ano, permaneci besta. Sem ação.

O palhaço Comendador estava numa autêntica sinuca de bico! Diante do fato consumado melei o jogo:

- Tudo bem, tá bom. Mas a Dra. Bifi sumiu! Vocês não me entendem? Ela sumiu! Eu preciso procurar por ela. Não deve estar longe. Se vocês a virem por aí, me chamem. Vou atrás dela! Até logo.

Disse isso, e saí correndo do quarto. Foi o melhor que consegui.  

A Dra. Bifi deixou o banheiro onde se escondera a fim de forjar o seu desaparecimento mágico e seguiu meus passos:

- Não contem que eu estou aqui. Vou correr atrás dele e pregar-lhe uma peça. Aquele palhaço é mesmo muito burro! Ele nem percebeu que eu não tinha sumido coisa nenhuma. Na verdade estava escondida nesse banheiro. Ei, Comendador, onde você vai seu palerma? Volte aqui!

As crianças do quarto da menina órfã gostaram da saída dos palhaços. Sabíamos disso por experiência. Depois de algum tempo aprendemos a usar alguns trunfos que nos salvam de situações como aquela. Gags clássicas não costumam falhar. Tropeções, encontrões com as portas, rivalidade entre os palhaços são procedimentos certeiros. Verdadeiros botes salva-vidas. No caso: bote salva-palhaços.

Encontramos-nos no corredor, logo ali adiante. Não dissemos nada um ao outro. Não precisava. Afinal já estava tudo dito. Demos uma respirada e retomamos o trabalho. Outro quarto, outras crianças, novas situações, mais encontros, outros possíveis embaraços.

Nosso único consolo era saber que ninguém pode escapar de uma sinuca de bico. Quem joga bilhar sabe disso.

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV