Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 18 de julho de 2016

Discernimento

Discernimento

 

16º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

17.7.2016 – Ano “C” de Lucas

Evangelho (Lc. 10, 38-42)

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, Jesus entrou num povoado e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa.

Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor e escutava a sua palavra. Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse:

“Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!”

O Senhor, porém, lhe respondeu:

“Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.    “”

...............................................................................................................................

Em duas palavras do Mestre, uma lição abrangente e encontradiça a todo instante nas mais diferentes funções e trabalhos da vida humana e moderna.

Quantos, quantos, quanta gente ou empolgada e mesmo descuidadamente fica entregue a afazeres múltiplos, desordenadamente.

O lufa-lufa da vida, frequentemente, caracteriza pessoas como seres ativos e diferenciados, “paus para toda obra”,como tantas vezes se ouve dizer.

Nenhum demérito do trabalho denodado. Não se trata disso.

Mas que é preciso tomar atenção para que não se vire um autômato, isso é indiscutível.

Questão de bom senso.

O trabalho dignifica o homem, pelo serviço sensato, sério e atento.

Entretanto, nunca, jamais, em tempo algum, se justifique a omissão na espiritualidade por falta de tempo!

É tão comum incidir nesse equívoco, tanto mais que qualquer ocupação estranha – como Marta o fez – atraia sua atenção em detrimento da espiritualidade, não exercida até com esse pretexto, o da falta de tempo.

Aqui, de novo, o Mestre, e por isso mesmo digno também desse título de Mestre, a acordar os açodados e precipitados.

A verdade é que o discernimento saberá dar tempo e hora a cada coisa e com isso proporcionar que a oração, a frequência aos sacramentos e a caridade exercida conscientemente, componham a vida de todo fiel.

Discernimento.

Deus seja louvado!

                                                                                                                                                                                              João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio