Colunistas

Publicado: Domingo, 4 de agosto de 2013

Difícil, não?

TEMPO COMUM – Ano “C”

XVIII Domingo.   04.8.2013

Evangelho (Lucas, 12, 13-21)

...............................................................................................................................

“”   Naquele tempo,alguém do meio da multidão, disse a Jesus:

“Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”.

Jesus respondeu:

“ Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?”

E disse-lhes:

“Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”.

E contou-lhes uma parábola:

“A terra de um homem rico deu uma grande colheita. Ele pensava consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’.

Então resolveu: ‘Já sei o que vou fazer! Vou derrubar meus celeiros e  ;  construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo junto com os meus bens. Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!´

Mas Deus lhe disse:

‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que acumulaste?’  

Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus”.   “”

...............................................................................................................................

Alguma dúvida quanto à interpretação deste evangelho?

Verdades duras, claras, verdadeiro retrato de como raciocina e decide a maioria de praticamente todas as pessoas: situar-se a si em primeiro lugar, confortáveis e seguras materialmente, como se isso fosse tudo ou a melhor das decisões.

E aí a história se repete.

Vai existir aquele alguém que pouco ou nada possui e nem por isso se aceita; almejaria estar situado como tantos outros afortunados que abundam mundo afora. Acaba, mesmo miserável, por ser tão ambicioso quanto aos que muito possuem, por invejá-los. Igualam-se uns e outros.

Há o caso ainda daqueles que, mesmo a muito possuir, simulam algum desprendimento e fazem eventualmente gestos isolados de benemerência ao próximo, algumas quireras distribuídas, às vezes até com algum alarde.

Muito pouco provável o ser alguém rico em excesso de bens e dinheiro e ao mesmo tempo ter uma vida impecável perante Deus, por demonstrar total desapego ao muito que tem. Muita fortuna requer automaticamente muita dedicação e cuidado, com o que, pouco tempo sobra para o cultivo da espiritualidade.

E vem a pergunta, que nessas horas sempre retorna e se suscita: existirá alguém – qual o homem – que extraordinariamente rico, não está sempre sentado sobre o seu baú?

E por último, o aspecto mais grave inserto nessa parábola de Jesus.

O manter-se sentado em cima do baú, cioso de não perdê-lo, ocorre igualmente com quem, mesmo a não ter tantas coisas, naquele pouco concentra sua vida, esquecido de que ela é tênue e pode ser roubada a qualquer momento.

Difícil, não?

Enfim, cada um deve saber de si.

                                                                      João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio