Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 11 de abril de 2019

"Desculpe-me"

Crédito: Cidinha Barnabé "Desculpe-me"
Escultura "Os Últimos Amantes", de Eugênio Teribelli, na Ilha dos Amores, em Salto (SP)

Naquele banco, compondo a música solitária dos fins de tarde no Largo São João, o Sol já havia se escondido atrás da antiga vila operária da Barra e seu copo estava vazio. Todos os outros bebiam e cantavam embargados em volta da mesa de concreto, mas ele preferia esperar, ansioso e sentado, a imponente morena dos enormes brincos de argola que sempre vinha, na outra calçada, caminhando com a malícia das mulheres que simulam imperícia com o salto. Tal era a beleza da moça, ainda solteira, que afastava até o pretendente mais atrevido fazendo-o crer que se tratava de "muita areia para seu caminhãozinho". Ali no largo, ela desfilava, sob assobios e cantadas inadequadas, até desaparecer quando virava a rua Monsenhor Couto. Desta feita, inconformado com a postura machista dos colegas, ele finalmente se levantou sem planejar, contornou a esquina, interceptou-a de supetão e pediu desculpas pelo comportamento do grupo. Ele não voltou. No dia seguinte, na mesma hora, passou de mãos dadas com ela.

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

9 dias atrás

"Desculpe-me"

22 dias atrás

Utilidade Pública

28 dias atrás

Os párias

18 de março de 2019

Terra baixa

27 de dezembro de 2018

Bebê a bordo