Colunistas

Publicado: Sábado, 5 de janeiro de 2019

Descompasso em Ultra Slow

No carrilhão da vó, o tic nitidamente mais audível que o tac. Parece sístole e diástole, um mais forte e outro mais fraco. Espelho que se esparrama e transcende frente a mim. Marca de expressão entre o nariz e a boca me faz virar um boneco de ventríloquo. Bobo da corte de um reino tolo, a se fazer de conta. 
 
" Pirulito que bate bate, pirulito que já bateu", ir atrás da origem disso é marcar touca, e talvez marcar touca não seja o que sempre pareceu. Vindas pela esteira, em linha de montagem, surgem em variadas cores e estampas para serem marcadas pelo pincel atômico. Acrescentar nexo aos poucos, para não empelotar e desandar toda a massa. Ao Bob a esponja, como diriam os antigos.
 
Olhar pousa em veio de mogno, mesa de contratos e arranjos, batizados e ceias a se perderem na bruma. E uma novilha eis que muge, em origamis galácticos.
 
Lágrimas de antes tarde ou quase nunca definitivamente não caem do nada - por alguma razão se está e se é assim ou assado. Livre arbítrio é livre abutre, let it be.
 
Assim falou Nicodemos, envolto em filós dourados. Havendo ou não semelhança com fatos ou faces reais, fique você à vontade para entender como quiser.
 
 
© Direitos Reservados
Imagem: https://br.vazlon.com/relogio-carrilhao
Comentários

Líricas Bulhufas

Marcelo Sguassábia

Marcelo Sguassábia

Humor, nonsense e sátira. Junte a isso algumas incursões no universo onírico. É esse mais ou menos meu estilo: o não-estilo definido. Sou redator publicitário e tenho coluna fixa em diversas publicações eletrônicas e um jornal impresso.

Arquivo

14 dias atrás

Um banquinho, um violão

21 dias atrás

Hoje, à 1h40, sem falta

29 dias atrás

Terapia de vidas futuras

16 de junho de 2019

Ramificando