Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 27 de abril de 2015

De fato e de direito

De fato e de direito

 

 

QUARTO DOMINGO DA PÁSCOA

26.04.2015 – Liturgia do Ano “B”

Evangelho de João, 10, 11-18.

............................................................................................................................................

“”    Naquele tempo, disse Jesus:

“Eu sou o bom pastor.

O bom pastor dá a vida por suas ovelhas.

O mercenário, que não é pastor e não é dono das ovelhas, vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge, e o lobo as ataca e dispersa . Pois ele é apenas um mercenário e não se importa com as ovelhas.

Eu sou o bom pastor.

Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem, assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai.

Eu dou minha vida pelas ovelhas.

Tenho também outras ovelhas que não são deste redil; também a elas devo conduzir; elas escutarão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor. É por isso que o Pai me ama, porque dou a minha vida para depois recebê-la novamente. Ninguém tira a minha vida, eu a dou por mim mesmo; tenho o poder de entregá-la e tenho o poder de recebê-la novamente; essa é a ordem que recebi de meu Pai”.    “”

.........................................................................................................................................................

Qualquer pessoa, ao passar uma mensagem ou ao externar algum enunciado, para fazer-se bem entendida, pode servir-se de um processo de repetição ao longo do assunto, para firmar acentuadamente o significado do tema exposto.

Trata-se de um método eficaz de facilitar a memorização dos ouvintes ou leitores, a partir da insistência na repetição de tópicos importantes.

É a situação específica deste evangelho.

Jesus repete duas vezes, solenemente:

Eu sou o bom pastor.

Eu sou o bom pastor.

Em seguida, como que enriquece ainda mais o sentido de sua declaração, porque afirma que dá a própria vida pelas ovelhas, como o faz exatamente o bom pastor.

É tão consequente e benévola essa afirmação de bem querer seus filhos que, desde que esses assim nele acreditem, se constitua a promessa num fato certo e acabado. Tudo a partir da misericórdia divina, levada ao infinito.

Doutra feita e para ainda mais alicerçar a confiança dos fiéis, seja-lhes a estes, assegurado aquilo que, de tamanha certeza, se confirma e assim  se consigna como um direito. Direito pela consciência de uma benesse gratuita e inconfundível da parte de quem a manifesta, o próprio Deus Nosso Senhor, em Jesus Cristo.

Neste aspecto do direito, pois, não se trata de nenhuma petulância e muito menos se lhe dê um ar de atrevimento. Entenda-se bem, que tudo assim decorre a partir da infalibilidade no cumprimento das promessas e certeza divinas, desde que presente, de outro lado, a verdadeira e sincera crença do ser humano.

Conjugam-se enfim num mesmo ato a expressão vibrante da misericórdia divina e a sólida  confiança dos filhos de Deus.

Filhos na mais pura acepção da palavra.

                                                                                    João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio