Colunistas

Publicado: Terça-feira, 16 de maio de 2017

Confissões de uma Mãe

Confissões de uma Mãe

Estamos lavando ursinhos de pelúcia – minha filha Márcia e eu. Velhos brinquedos de infância. Ela se prepara para o casamento.

Semana passada ajudei-a a arrumar seu novo apartamento e ela disse-me de sua intenção em levar para lá alguns dos seus  ursinhos de pelúcia.

Enquanto lavamos, minha filha me conta que há um tempo atrás conheceu uma simpática senhora de 80 anos que lhe explicou o modo correto em lavar ursos de pelúcia.

“Você deve colocá-los dentro de uma fronha e fechá-la com um alfinete de segurança. Depois você lava e seca o embrulho, e eles saem limpos, e fofinhos”.

A senhora continuou a falar e contou que, desde que seu marido falecera, sempre que se sentia solitária, ela abraçava o seu ursinho de pelúcia por algum tempo contra o rosto e isso a fazia sentir-se melhor.

Elas continuaram a conversar e a minha filha ficou encantada com a senhora e com sua história e me confidenciou que os seus ursinhos iriam ajudá-la quando na nova vida de casada sentisse saudades de seu pai, seus irmãos e de sua mãe...

Eu queria dizer à minha filha que eu compartilhava os seus sentimentos. Ao mesmo tempo, sabia que ela tinha que encontrar o seu próprio caminho. Embora, naquele momento, eu quisesse abrigá-la, no fundo do meu coração.

Às vezes fazer o que é melhor para os filhos pode ser muito difícil. A luta  emocional dela com a sua partida da casa materna, me causou um aperto profundo no coração. Eu realmente gostaria de carregá-la no colo, fazendo-a dormir e colocá-la com seus ursinhos na cama.

Minha filha era e é uma linda menina. Embora ela seja hoje uma mulher adulta.

Terminamos de lavar os ursinhos e ela os colocou em caixas e  está levando-os para a sua nova casa. Seus ursinhos  estão todos lá,  arrumados e cheirosos. Eu sei que ela vai abraçá-los, encostando-os contra o rosto, durante os dias e em algumas noites escuras que virão, e que isto vai ajudá-la a sentir-se melhor. Eles absorverão algumas lágrimas e a abraçarão também, sempre que ela precisar. E retribuirão o sorriso que ela finalmente vai dar.

 

Ursinho cuide da minha menininha. Segure sua mão, abrace-a forte e lembre-a do quanto seu pai, seus irmãos e eu a amamos.

 

Sonhe com os anjos, filha querida. Que a glória de Deus abençoe o seu novo estado de vida. E que a cada amanhecer possa trazer-lhe muita paz e alegria.

 

Sua mãe Ditinha

Comentários

Varanda da Saudade

Ditinha Schanoski

Ditinha Schanoski

Jornalista ituana, trabalhou no jornal A Federação e é articulista de vários jornais e revistas. Membro da ACADIL, SACI, UARD, Gvcmi e outros grupos. Agraciada com diversos prêmios, como a Medalha Dom Gabriel. Nomeada Profissional Ético de 2014.

Arquivo

17h atrás

Rosas Vermelhas

22 dias atrás

Um grito no escuro

22 dias atrás

Um grito no escuro

14 de setembro de 2017

Vidas que vão