Colunistas

Publicado: Domingo, 3 de fevereiro de 2013

Compromisso ou formalidades?

IV DOMINGO DO TEMPO COMUM

Fevereiro, 3 – 2013

Evangelho (Lucas, 4-21-30)

...............................................................................................................................

¨¨    Naquele, estando Jesus na sinagoga, começou a dizer:

“Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”.

Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca.

E diziam:

“Não é este o filho de José?”

Jesus, porém, disse:

“Sem dívida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo.  Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”.

E acrescentou:

“Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. De fato, eu vos digo, no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. E no tempo do profeta Eliseu havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”.

Quando ouviram essas palavras  de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se o expulsaram da cidade. Levaram-no até o alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.    “”

...............................................................................................................................

É vã e quase uma ingenuidade o homem pretender enganar a Deus, ao fazer-se um falso fiel perante os seus, tanto os mais próximos como com outros pouco conhecidos.

Essa era a regra de vida de muitos daqueles, - sacerdotes, fariseus  e demais ligados ao templo – sinagogas – apenas a ostentar virtudes e santidade que absolutamente não tinham.

Num primeiro momento, admiraram-se da primeira manifestação de Jesus dentro de uma sinagoga. E o desafiaram a executar ali também os atos milagrosos ocorridos em Cafarnaum.

A Jesus não cabia aceitar desafios para fazer-se vaidosamente vitorioso e sentiu logo essa rejeição. Ameaçaram-no de morte.

Para os dias de hoje, de pouca espiritualidade em geral, depende de nossas preferências e opções, parecermos apenas seguidores dele, mas ocupados e enfronhados muito mais com a vida material e o prazer fácil.

Com essa conduta, ficamos assemelhados aos homens do templo que a passagem narra.

Jesus é acolhido hoje de coração ou apenas pela exteriorização de meras formalidades?

                                                                         João Paulo

                                                                                                                                                

 

 

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio