Colunistas

Publicado: Domingo, 17 de novembro de 2013

Coincidência ou sinal dos tempos?

XXXIII DOMINGO – Tempo Comum

Novembro, 17, 2013     - -    Ano “C”

Evangelho (Lucas, 21, 5-19)

 

 “”  Naquele tempo, algumas pessoas comentavam a respeito do templo que era enfeitado com belas pedras e com ofertas votivas.

Jesus disse:

“Vós admirais estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra. Tudo será destruído”.

Mas eles perguntaram:

“Mestre, quando acontecerá isso? E qual vai ser o sinal de que essas coisas estão para acontecer?”

Jesus respondeu:

“Cuidado para não serdes enganados, porque muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu!’ e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não sigais essa gente!

Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não fiqueis apavorados. É preciso que essas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim.”

E Jesus continuou:

“Um povo se levantará contra outro povo, um país atacará outro país. Haverá grandes terremotos, fomes e pestes em muitos lugares; acontecerão coisas pavorosas e grandes sinais serão vistos no céu. Antes, porém que essas coisas aconteçam, sereis presos e perseguidos; sereis entregues às sinagogas e postos na prisão; sereis levados diante de reis e governadores por causa de meu nome. Essa será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé. Fazei o firme propósito de não planejar com antecedência a própria defesa, porque eu vos darei palavras tão acertadas, que nenhum dos inimigos poderá resistir ou rebater.”

...............................................................................................................

Faz uma diferença muito grande terem os antepassados ouvido essas palavras, pessoal e diretamente de Jesus, em relação aos fiéis de hoje que acreditam não porque veem ou as escutam,  mas porque as aceitam movidos pela fé.

O dom da fé, por conseguinte, é tesouro inestimável, a ser preservado. Mais ainda, pela fé que cada cristão aninha dentro de si, há de se agradecer sempre a Deus. Agradecer para que ela se mantenha, cresça, se robusteça e não definhe  nem seja perdida jamais.

De algum modo, então, para os viventes de hoje, até que se permitiria imaginar que os sinais e acenos lúgubres descritos por Jesus, já acontecem desde algum tempo.

A mídia - que também é necessária e útil para boas causas  - mas se perdeu em transmitir descalabros, criminalidade e insegurança prioritariamente, traz para dentro das casas também as imagens de terremotos, maremotos, vendavais e tufões.

Fica-se sem saber ao certo se tal desequilíbrio provém do mau uso da terra, dos rios, do mar e das matas, castigados e devastados pelo homem, ou se poderiam ser tomados como sinal dos tempos de sofrimento, previstos nas declarações do Mestre.

Seja uma ou seja outra coisa, aos crentes e sinceros, de qualquer modo, não precisam nem devem temer ou ficar apavorados.

Os tementes a Deus merecerão viver as promessas de Cristo, mesmo que antecedidas pela provação em sofrimento e penúrias, mas sempre passageiros.

A vida eterna, ao final, premiará os justos.

                                                                                            João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio