Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Boa Vizinhança

Basílio era velho morador do bairro, muito estimado por todos.
 
Nas tardes de domingo os netos de Júlio, seu vizinho, reuniam-se para jogar bola no quintal e, de vez em quando a bola voava para o quintal do Basílio.
 
Os meninos não tinham dúvida. Pulavam o muro e iam buscá-la.
 
Às vezes o Basílio nem via, mas, quando via, brincava com eles:
 
- De quem foi à lateral desta vez?
 
Outras vezes a bola ficava perdida por lá e ele chamava o Julio no muro:
 
- Olha a bola dos meninos!
 
Julio desculpava-se:
 
- Essas crianças! Sempre incomodando os outros.
 
 - Que nada! Nos também fomos crianças, não fomos?
 
A devolução da bola perdida era pretexto para um dedo de prosa. Basílio gostava de conversar, discutir política, futebol, comentar as ultimas notícias:
 
- Não, esta bola não é dos meus netos!
 
- Não? Então deve ser do filho de Zé Maria, o vizinho do outro lado.
 
E lá se ia o Basílio bater papo com o Zé Maria.
 
Mas, um dia o Basílio realizou o seu sonho de muitos anos. Comprou uma casa própria e mudou-se.
 
Os vizinhos sentiram a sua falta, mas ficaram felizes por ele. Ele merecia tudo de bom. Era uma ótima pessoa.
 
E um novo vizinho, o Fausto, ocupou a casa onde ele morara.
 
No primeiro “escanteio”, quando o garoto pulou o muro para pegar a bola ele ficou furioso. Não queria molecagem no seu quintal.
 
Os meninos insistiram e ele reclamou para o Júlio.
 
O Júlio começou se desculpando, mas, diante da arrogância do outro, revidou e acabaram brigando.
 
Irado o Fausto resolveu o problema. Ia comprar um cachorro bem grande e bravo.
 
Foi a uma loja de cães e escolheu o que, segundo o dono, era uma verdadeira fera.
 
Teve que retornar várias vezes para que o bicho o conhecesse e aceitasse como seu novo dono.
 
Quando chegou com o monstro em casa a mulher ponderou:
 
- Isto é um perigo! Se ele pegar uma criança vai machucar muito! Pode até matar!
Mas o Fausto estava determinado:
 
 - Ele não vai sair de dentro do meu quintal. Quem se atrever a entrar terá o que merece.
 
A partir de então tudo se acalmou. As crianças não pularam mais o muro e nem ele encontrou bolas perdidas no quintal.
 
Numa tarde silenciosa, porém, ele ouviu um assobio no portão.
 
Abriu a porta e lá estava um garoto com o nariz enfiado na grade.
 
Antes, porém que ele pudesse fazer qualquer coisa, a sua “fera” apareceu correndo com a bola na boca e entregou-a para o menino que acariciou sua cabeça enquanto ele abanava alegremente a cauda.
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida