Colunistas

Publicado: Sábado, 28 de janeiro de 2017

Bem-aventuranças, refrigério às dores

Bem-aventuranças, refrigério às dores

 

 

4º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

Verde – Ano “A” – São Mateus

29.01.2017 – Evangelho (Mt. 5, 1-12)

..............................................................................................................................

“”   Naquele tempo, vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, e Jesus começou a ensiná-los:

“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados.

Bem aventurados os mansos, porque possuirão a terra.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

Bem aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.

Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o tipo de mal contra vós por causa de mim.

Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus.”    “”

...............................................................................................................................

Numa primeira vista de olhos poderá parecer que o reino dos céus estará somente ao alcance dos sofredores e injustiçados.

De outra parte, contudo, a quem não ocorra nenhuma dessas desditas  – pobres de espírito; aflitos; mansos; amantes da justiça; misericordiosos; essencialmente puros; agentes da paz; perseguidos e injuriados  –  não significará também estarem perdidos.

Não tanto aos céus, nem tanto à terra.

Há também de se dizer, contudo, que aos que por essas agruras nunca sejam atingidos, por habilidade pessoal ou num verdadeiro golpe de sorte ou, ainda, por uma especialíssima e rara maneira de ser, se lhes assegura a salvação. Sim, os céus não estão por princípio e definição fora do alcance de pessoas bem sucedidas.

Uma oportunidade esta, por isso, para lembrar também que o dito bíblico adverte que seria mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico se salvar.

Para evitar raciocínios e ideias extremas, costuma-se hoje explicar que o vocábulo “agulha”, nesse contexto, se prende na verdade ao que sejam os baixios (portais) da entrada das cidades referidas nos livros sagrados.

Colha-se então, no final das contas, o entendimento de que as provações nunca levem ninguém ao desespero, principalmente quando decorrentes de insídias e maldade humana.

A Providência Divina não se olvida da sorte de ninguém. Por isso mesmo, não descure ninguém da missão de elevar o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, bálsamo de todas as feridas e sofrimentos.

Afinal de contas – não sem motivo - essa passagem bíblica leva a denominação de “bem-aventuranças”.

                                                                                  João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio