Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 16 de novembro de 2011

As trapalhadas do Aristeu

Aristeu era um escravo ainda menino, meio bobinho, (ou seria muito esperto?).

Seus pais trabalhavam sujeitos às ordens de um feitor impiedoso, mas o menino caiu nas boas graças dos Senhores e foi levado para a Casa Grande onde prestava pequenos serviços e criava muitas confusões.

- Aristeu, você viu o meu canivete?

- Ele saiu agorinha mesmo o cavalo. Não sei pra donde ele foi.

- Quem foi que saiu a cavalo?

- Ora, o seu Donizete, o Sinhô não perguntou dele?

- Eu perguntei do canivete não do Donizete.

- Eu não vi não Sinhô se ele levou seu canivete.

- Desisto! Você é muito burro!

- Ele foi no cavalo que eu vi. Não foi no burro.

- Suma daqui pivete!  Corra! Ande!

- Sorvete? No copo grande? Oba!

E lá se foi o Aristeu correndo pedir à cozinheira um copo bem grande de sorvete que o Sinhô mandou.

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida