Colunistas

Publicado: Sábado, 20 de agosto de 2016

As primas, santas

As primas, santas

 

 

ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA

Domingo, 21.8.2016 – Liturgia : Ano “C”

Evangelho segundo Lucas (1, 39-56)

...............................................................................................................................

“”    Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente, a uma cidade da Judeia.

Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel.

Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou:

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!

Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar?

Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre.

Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor prometeu”.

Então Maria disse:

“A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu salvador, porque olhou para a humildade de sua serva.

Doravante todas as gerações me chamarão de bem-aventurada, porque o Todo Poderoso fez grandes coisas em meu favor.

O seu nome é santo, e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam.

Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração.

Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes.

Encheu de bens os famintos e despediu os ricos de mãos vazias.

Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”.

Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.    “”

...............................................................................................................................

Esse momento sublime, um encontro entre corações, de primas, quase menina uma e idosa a outra, provoca expansões inspiradas de ambas.

E das saudações, nasce a expressão de Maria, exultante mas sem vangloriar-se, pois fala exatamente não de si mas da prodigalidade de Deus em ter sido escolhida para mãe do Salvador.

Atravessa os tempos, assim, o canto do “Magnificat”, a resumir nele também um verdadeiro ato de adoração.

Maria fora escolhida para dar cumprimento às escrituras, em cujas páginas, após a visita a Isabel, pouco citada na vida pública de Jesus.

Mas inaugurou a valia da intercessão nas Bodas de Caná, acompanhou a Paixão e esteve ao pé da cruz.

                                                                    João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio