Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 30 de julho de 2007

As irmãs de leite

Graziela e Malvina tinham a mesma idade. Graziela era a filhinha branca da Sinhá e Malvina, filha da escrava Sebastiana, ama de leite da Graziela. Sebastiana amamentou e cuidou das duas meninas e elas cresceram juntas, muito unidas e muito amigas. Malvina era mestiça, muito bonita e quando ficou mocinha começou a ser cobiçada por ricaços que a queriam para concubina e ofereciam por ela um alto preço. Mas ela era muito estimada e o Sinhô não a venderia por nenhum dinheiro. Quando Graziela casou-se com Otaviano, o pai deu-lhe a escrava de presente e assim as duas continuaram juntas. Malvina era agora a mucama de Graziela e a servia com muita dedicação. Otaviano, porém, não entendia como a esposa podia tratar uma escrava com tanta intimidade. Os dois discutiram muitas vezes por causa dela e Otaviano disse que ia pô-la a venda. Graziela ficou desesperada e desacatou o marido, coisa que, na época, as mulheres não se atreviam a fazer:
- Você não pode fazer isso. Ela é minha, não é sua.
- Como não? Esquece que somos casados com comunhão de bens?
- Você sabe que somos muito amigas. Ela não é uma simples escrava para mim.
- Outro motivo para que a venda. Nunca apreciei sua intimidade com essa negrinha. Escravo é simplesmente escravo.
- Ela é minha irmã de leite!
Otaviano deu uma gargalhada:
- Irmã de leite! Essa é boa! Quer dizer que se tivesse tomado leite de vaca o bezerro seria seu irmão de leite?
Graziela já chorando gritou:
- A abolição vem ai! Eu ainda quero ver os escravos rindo da sua cara!
Otaviano ficou furioso e mais do que nunca determinado a negociar a Malvina. Alguns dias depois comunicou a Graziela que já tinha um comprador. Um fazendeiro muito rico que ficara viúvo e queria uma companhia até que se casasse novamente.
Graziela ainda gritou:
- Você é um monstro! Não tem direito de vender a escrava que ganhei de meu pai! Mas, o Coronel Joviano veio buscá-la e Graziela não pode fazer nada para impedir. Passada a crise, Otaviano empenhou-se em agradar Graziela. Comprou-lhe outra mucama e cumulou-a de mimos. Graziela acabou perdoando. As mulheres de então eram muito submissas aos maridos e ela, no fundo, achava que ele tinha direito de fazer o que fez. Para ele Malvina era apenas uma escrava que podia ser negociada sem problema. Ele não podia compreender os seus sentimentos Era a cultura da época à qual Graziela estava acostumada. E mais algum tempo se passou. Graziela nunca mais soube de Malvina. Quando a abolição foi assinada, Otaviano já estava muito doente, desenganado pelos médicos e a notícia abalou-o apressando o desenlace. Graziela sentiu muito a perda do Otaviano. Ele fora, de um modo geral, um bom marido. A única mágoa foi à venda da Malvina que ela não conseguia esquecer, mas sabia que ele não podia compreender seu apego por uma escrava, pensara que fosse só um capricho e que ela a esqueceria logo. O importante agora era que Malvina estava livre, não era mais uma propriedade do Coronel Joviano! Algum tempo depois, Graziela foi atender à porta e teve uma surpresa. Malvina estava ali, bonita, sorridente, irradiando felicidade.
- Oh! Que surpresa! Não acredito que é você mesma que está aqui.
- Há muito tempo eu queria ter vindo, mas não foi possível.
- Fiquei feliz por você quando veio a abolição.
- Mas eu já estava livre há muito tempo.
- Como assim? Conte tudo! Eu fiquei tão preocupada com você. Com medo que a maltratassem.
- Nada disso! O Coronel Joviano é boníssimo e sempre me tratou muito bem. Quando se casou, deu-me a carta de alforria, algum dinheiro e arranjou um emprego para mim. Sorriu com uma ponta de malícia:
- A mulher dele não me queria por perto...
- E daí?
- Fui trabalhar na cidade, assalariada, e vou me casar daqui a dois meses. Sei que sou suspeita para falar, mas meu noivo é maravilhoso!
- Que bom! E Graziela sentiu o coração mais leve. Malvina acabara encontrando a sua felicidade.
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida