Colunistas

Publicado: Sábado, 1 de novembro de 2014

Às almas, a prece de todos

DIA DE FINADOS

Domingo, 02.11.2014 – Ano “A” de Mateus

Evangelho (João, 6, 37-40)

...........................................................................................................................

“”    Naquele tempo, disse Jesus às multidões:

“Todos que o Pai me confia virão a mim, e quando vierem, não os afastarei. Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.

E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que Ele me deu, mas os ressuscite no último dia.

Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna.

E eu o ressuscitarei no último dia”.    “”

............................................................................................................................

Cristo salva !

Esta talvez a proclamação mais difundida, em especial junto a credos outros, não católicos, mas imbuídos igualmente de que lhes seja Jesus sim, a essência de sua crença.

Talvez, então, nos que se enfileiram sob a sabedoria e primazia do Papa, sucessor direto de Pedro, nem externem tanto essa crença até pela absoluta obviedade do seu enunciado. Sim, Cristo salva, sabe-se de sobejo.

A Igreja põe em destaque o Dia em que os cristãos rememoram seus mortos, inclusive por isso mesmo, para que em meio a homenagens de saudade póstuma, todos se lembrem que Jesus é a Verdade, o Caminho e a Vida.

Homens e mulheres, adultos e crianças, todos, passageiros de uma viagem até extremamente curta.

Lícito e aceitável que os dias vividos neste chão – que também frequentemente é o vale de lágrimas – decorram da melhor maneira, nunca portanto sob a imposição de valores invertidos.

Tenha-se assente, - fiéis todos de todas as crenças, - que sim, exatamente e sem dúvida, é Cristo que salva.

Façam-se todos merecedores dessa dádiva final e gloriosa.

Aos irmãos finados, que porventura estejam a depurar-se sob os critérios superiores e divinos, cheguem-lhes as orações dos que aqui ainda mourejam.

Tampouco se descuidem todos de que os Santos na glória são intercessores junto a Deus por esta Igreja, terrena e militante.

Resulte, por último, em natural consequência, que adorações cheguem, a Deus Nosso Senhor, da parte de todos que compõem enfim a Comunhão dos Santos, dogma de fé esperançoso e consolador.

                                                                                                  João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio