Colunistas

Publicado: Domingo, 3 de abril de 2011

Arrogância e equívoco na função da escola

Arrogância e equívoco na função da escola
Ideias fechadas trancam o sentido da educação...

O último texto desta coluna deu tanto o que falar que achei por bem ficar um tempo em silêncio, reservando-me um espaço para pensar e refazer as ideias... No entanto, é hora de voltar. 

Acompanhei as manifestações dos leitores no Facebook sobre a posição crítica que assumi frente à nota zero nas provas escolares. Confesso gostar do debate e da polêmica; só assim podemos rever conceitos, esticar o olhar e abrir a mente.  

De todas as manifestações, uma em especial causou-me profundo desconforto filosófico. E por incrível que pareça, partiu de um professor.  A ideia de que a escola deve reproduzir o mercado de trabalho, mantendo em suas ações a mesma rigidez,  crueldade e seletividade é no mínimo a confissão do despreparo para a função.  Melhor dizendo, essa manifestação confirma a estatística dos professores especialistas que dominam suas disciplinas, mas ignoram a psicopedagogia, a didática e a epistemologia. 

A escola básica definitivamente não é a reprodução da vida em sociedade, muito menos do mercado de trabalho. Ela é sim o antídoto, a reflexão, a crítica e a coragem da transformação deste mundo que fizemos. E lembrando Sartre, a escola pode e deve nos ajudar a “saber o que fazer com o que fizeram de nós”. 

Com isso não estou afirmando que a escola deve fechar os olhos, erguer os muros, que já são altos, e isolar-se no seu tempo e espaço. Ela deve sim dialogar com a sociedade para garantir melhoramento e evolução da humanidade. Entender o seu tempo para fortalecer as possibilidades de transformação e quebrar paradigmas.     

A não ser que estejamos completamente satisfeitos com a sociedade que fizemos, não é verdade?   

Na escola os meninos estão em formação, com energia para enxergar o que nos cega, vencer desafios e construir o novo. Como disse a escritora Anna Osta,“desde que o ser humano existe, é o jovem que rompe com as normas vigentes e os modelos estabelecidos, além de ampliar os horizontes das possibilidades e da aceitação de novas regras." 

Por isso desejar a reprodução do mundo adulto nos espaços escolares é o mesmo que desejar que o mundo se mantenha estático e inerte. O mundo não está pronto. Os homens não estão prontos. Estamos em constante movimento e construção com muito a fazer e a aprender. 

Pensar que a trajetória que fizemos é o caminho certo que os jovens devem seguir, além de arrogante é ideia equivocada, sobretudo na educação. 

Professores que ensinam o que sabem pararam no tempo, estacionaram a inteligência e afetarão negativamente as sociedades futuras. Professores devem ensinar o que o aluno precisa aprender e para isso, exercitar a mente aberta, o respeito ao outro, a desconfiança das convicções e a compreensão de que o mundo não se faz pelas certezas.  Aliás, muito pelo contrário.

Comentários

Conversas Entrelinhas

Mércia Falcini

Mércia Falcini

Psicopedagoga com Especialização em Formação de Professores e Sistema de Gestão. Atualmente é Diretora da Consultoria e Assessoria Saberes, Membro Fundador da Academia Saltense de Letras e colunista do site Itu.com.br.

Arquivo

14 de março de 2016

A corrida aos cinquenta

1 de outubro de 2015

Um filho gay: dores e amores

8 de dezembro de 2014

Refazendo as verdades

6 de março de 2014

A dor da perda

14 de fevereiro de 2014

A Pata do Elefante