Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 12 de abril de 2013

Apascenta as minhas ovelhas

 

III DOMINGO DA PÁSCOA

Abril, 14, 2013.    - Ano C -

Evangelho (João, 21, 1-19)

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, Jesus apareceu de novo aos discípulos, à beira do mar de Tiberíades. A aparição foi assim: estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos de Jesus.

Simão Pedro disse a eles “Eu vou pescar”.

Eles disseram: “Também vamos contigo”.

Saíram e entraram na barca, mas não pescaram nada naquela noite. Já tinha amanhecido, e Jesus estava de pé na margem. Mas os discípulos não sabiam que era Jesus. Então Jesus disse:

“Moços, tendes alguma coisa para comer?”

Responderam: “Não”.

Jesus disse-lhes: “Lançai a rede à direita da barca e achareis”.

Lançaram, pois, a rede e não conseguiram puxá-la para fora, por causa da quantidade de peixes. Então, o discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro:

“É o Senhor!”

Simão Pedro ouvindo, ouvindo dizer que era o Senhor, vestiu sua roupa, pois estava nu, e atirou-se ao mar. Os outros discípulos vieram com a barca, arrastando a rede com os peixes. Na verdade, não estavam longe da terra, mas somente a cerca de cem metros. Logo que pisaram a terra, viram brasas acesas, com peixe e pão.

Jesus disse-lhes:

“Trazei alguns dos peixes que apanhastes”.

Então Simão Pedro subiu ao barco e arrastou a rede para a terra. Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu.

Jesus disse-lhes: “Vinde comer”.

Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar quem era ele, pois sabiam que era o Senhor:

Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe.

Esta foi a terceira vez que Jesus, ressuscitado dos motos, apareceu aos discípulos.

Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: “Simão,  filho de João, tu me amas mais do que estes?”

Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”.

Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”.

E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?”

Pedro disse:”Sim, Senhor, tu sabes que te amo”.

Jesus lhe disse: “Apascenta as minhas ovelhas”.

Pela terceira vez perguntou a Pedro: “Simão Pedro, filho de João, tu me amas?”

Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”.

Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. Em verdade, em verdade te digo, quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”.

Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus.

E acrescentou: “Segue-me”.

..............................................................................................................................

 Passagem das mais conhecidas, esta, da terceira vez em que Jesus se mostrava aos discípulos.

Os evangelhos, no geral, apresentam textos sucintos e rápidos, mas com a característica de que deles colhem-se lições múltiplas e abundantes.

Entre tantas minudências do trecho de hoje, que por exceção nem seria tão breve, há de se permitir avaliar o quanto a paz de espírito sobressai como benesse de primeira ordem. Bem entendida, porém, de que a paz com que Jesus saúda os discípulos, não implica no compromisso de não existirem percalços ao longo de uma vida.

Assentada a conduta do fiel nos ensinamentos do Mestre, ali se encontram dias da maior felicidade e alegria, emoldurados às vezes de passagens difíceis. O fato em suma é que com a busca incessante de uma espiritualidade sincera, mesmo os aparentemente frágeis sentem-se fortificados.

Há de se ressaltar ainda a insistência desse cumprimento – A paz esteja com vocês – repetida várias vezes nessa aparição de Jesus. Insistentemente, pois.

Paz de espírito, regularidade espiritual a ser conquistada.

A partir dela, o quanto não influenciam os que a escolhem, junto dos que lhes sejam familiares ou mesmo do laço de amizades de cada um.

Pessoas disso conscientes espargem amor e felicidade.

Destaque por último para ouro pormenor neste evangelho, bem a propósito quando assume o Papa Francisco, para a importância da escolha de Pedro, rude até conforme se lhe narram a conduta, para ser o condutor da Igreja. Francisco, hoje, seu legíttimo sucessor.

                                                             João Paulo

 

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio