Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Anúncio da chegada de Jesus

 

Primeiro domingo, dia 4, do novel ano de 2009.
 
Embora do conhecimento geral, faz-se lembrar no entanto que o ano litúrgico – que não coincide com o ano civil – começou já no final de novembro.
 
Outra particularidade é a de que a liturgia católica prevê textos próprios, repetidos trienalmente. Fechou-se o ano A, de 2008, em que predominaram os evangelhos segundo São Mateus.
 
Neste ano de 2009, portanto, vive-se o Ano B, consagrado aos textos de autoria de Marcos e, finalmente, em 2010, entra-se no Ano C, reservado a Lucas.
 
Essas atribuições, porém, em muitas datas e festas, não são rígidas e pontificam nelas outros evangelistas, como ocorre agora por exemplo, para 4 de janeiro, um evangelho, mas no dizer de Mateus. É a festa da Epifania do Senhor.
 
Freqüentemente, também comparecem evangelhos avulsos, segundo São João, este, não contemplado prioritariamente em nenhum dos três anos fixados pela liturgia.
 
Assim proclama, pois, o evangelho (Mt. 2, 1-12), estabelecido nesta comemoração da Epifania do Senhor:
 
“” Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, perguntando:
 
“Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adora-lo”.
 
Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado, assim como toda a cidade de Jerusalém. Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da lei, perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer.
 
Eles responderam:
 
“Em Belém, na Judéia, pois assim foi escrito pelo profeta:
 
“ E, tu Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe que vai ser o pastor de Israel, o meu povo”.
 
Então Herodes chamou em segredo os magos e procurou saber deles cuidadosamente quando a estrela tinha aparecido. Depois os enviou a Belém, dizendo:
 
“Ide e procurai informações obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me para que também eu vá adorá-lo”.
 
Depois que ouviram o rei, eles partiram. E a estrela que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino. Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande. Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra. Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho. “”
 
Com a festa da Epifania do Senhor, mostra o texto sagrado que Deus anunciou, neste passo e na visita dos magos, a vinda de seu filho, Jesus, à terra e aos homens.
 
A maneira pobre e despojada a caminho de Belém, o nascimento numa condição de pobreza extrema, porque para o criador do mundo não havia lugar, lotadas as hospedarias, demonstra logo que não viera em meio a pompas e sim com finalidade outra.
 
Mas, a despeito de toda essa adversidade, mesmo assim o mundo logo soube da sua chegada.
 
A notícia foi bater justamente no palácio do rei. Este, em verdade, sem o perceber e querer, deu testemunho de que acreditara, porque logo cuidou de tentar achar e matar o recém-nascido, com receio de que outro rei lhe tomasse o lugar.
 
Preocupação inútil e desnecessária de Herodes, porque como se acabou de explicar aqui, Jesus não viera para ser um rei de honrarias vãs.
Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio