Colunistas

Publicado: Sábado, 30 de abril de 2016

Amar efetivamente, eis o caminho

Amar efetivamente, eis o caminho

 

 

6º.  DOMINGO DA PÁSCOA

1º. de maio/2016 – Liturgia do Ano “C”

Evangelho segundo João (14, 23-29)

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos;

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada.

Quem não me ama não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é o que vos disse enquanto estava convosco.

Mas o defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que vos tenho dito.

Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo.

Não se perturbe nem se intimide o vosso coração.

Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’.

Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu.

Disse-vos isso agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis”    “”

...............................................................................................................................

No mesmo teor do evangelho da semana passada, as palavras do evangelho estão carregadas de amor e carinho.

Por alto, até haveria de se dizer que aqui como lá (João, 13, 31-35) os termos seriam quase que meramente repetitivos, conquanto  nestenato se mencione a Trindade Una e Santa categoricamente, em um só Deus, com o que o Espírito Santo há de confirmar todos esses dizeres.

É de tanta importância seja dado crédito a essas palavras, que elas são ditas nesse até por antecipação e assim, quando tudo se confirmar, todos se recordarão e haverão de crer firmemente.

Ao mesmo tempo em que anuncia de novo que logo iria para o Pai, seus seguidores se alegrariam ainda mais por isso. Uma certeza desde o instante da proclamação desse anúncio amável.

Façam os fiéis a mais profunda das reflexões por crer nisso tudo, até porque quando não se ama a Jesus, tudo decorre exatamente do fato de não guardar sua palavra.

Seja permitido intuir então, nos dias presentes, quais sejam os seguidores de Jesus, assim entendidos e diferenciados os que amam e os que não guardam sua palavra.

A meditação em plenitude dá resposta a essa questão de todos e cada um de si para consigo.

                                                                                                                                                                                                          João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio