Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 23 de junho de 2014

Ainda é tempo...

12º. DOMINGO – TEMPO COMUM

Junho, 22, 2014   -   Liturgia do Ano “A”

Evangelho segundo Mateus (10.26-33)

..................................................................................................................

“”   Naquele tempo, disse Jesus a seus apóstolos:

“Não tenhais medo dos homens, pois nada há de encoberto que não seja revelado e nada há de escondido que não seja conhecido.

O que vos digo na escuridão, dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados!

Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma! Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no inferno!

Não se vendem dois pardais, por algumas moedas? No entanto, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do vosso Pai. Quanto a vós, até os cabelos da vossa cabeça estão contados.

Não tenhais medo!

Vós valeis mais do que muitos pardais.

Portanto, todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante de meu Pai que está nos céus.

Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus”.   “”

..................................................................................................................

Prova cabal e acabada da insegurança dos homens é o viver temeroso por injunção alheia dos mais bem postos ou mais fortes, social, econômica ou fisicamente.

Aos olhos do mundo, a diferenciação forçada entre pessoas – seres humanos, portanto – segue a regra da imposição.

Numa alusão singela mas direta, seria reconhecer que quem tem mais, pode mais.

É a partir dessa realidade que os menos favorecidos ou os tímidos se encolhem e sofrem.

Não obstante não se há de pregar a revolta como remédio e muito menos sentimentos de rancor, vingança e desordem.

Calma.

Eis aí o atestado e a declaração pública de Jesus contra o medo!

Todos são importantes e preciosos aos olhos de Deus!

É bem por isso que a na oração perfeita não deve haver queixa nominal perante Deus contra pessoas que não lhe sejam agradáveis, tidas como inimigas até! Não. Não é esse o caminho, até porque não se há de esquecer o quanto Deus ama a todos.

Os eventualmente desencaminhados são objeto da preocupação de Deus.

Assim, não se tome o texto deste evangelho como uma ameaça do Mestre pelo viés do mero revide.

Deus ama a todos e os quer igualmente a todos perto de si. Entretanto, premia a liberdade dos que convida a segui-lo, porque fosse o Criador simplesmente aplicar corretivos aos que erram, não teria seguidores seus, mas escravos.

Deus ama, sem jamais impor-se pela coerção.

Não se furta tampouco de advertir para que todos saiam do erro, enquanto houver tempo.

                                                                                                          João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

22 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio