Colunistas

Publicado: Sábado, 17 de outubro de 2015

Aí, sim ...

Aí, sim ...

 

 

TEMPO COMUM – 29º. DOMINGO

18.10.2015 – Liturgia do Ano “B”

Evangelho segundo Marcos (10, 35-45)

...............................................................................................................................

“”   Naquele tempo, Tiago e João, filhos de Zebedeu, foram a Jesus e lhe disseram:

“Mestre, queremos que faças por nós o que vamos pedir”.

Ele perguntou:

“O que quereis que eu vos faça?”

Eles responderam:

“Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda, quando estiveres na tua glória!”

Jesus então lhes disse:

“Vós não sabeis o que pedis. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber? Podeis ser batizados com o batismo com que vou ser batizado?”

Eles responderam: “Podemos.”

E ele lhes disse:                             

“Vós bebereis o cálice que eu devo beber e sereis batizados com o batismo com que eu devo ser batizado. Mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. É para aqueles a quem foi reservado”.

Quando os outros dez discípulos ouviram isso, indignaram-se com Tiago e João.

Jesus chamou os doze e disse:

“Vós sabeis que os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam. Mas, entre vós, não deve ser assim: quem quiser ser grande seja vosso servo; e quem quiser ser o primeiro seja o escravo de todos. Porque o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos”.   “”

...............................................................................................................................

Os seguidores mais próximos de Jesus, os apóstolos, foram arrebanhados a pouco e pouco e se constituíram assim num grupo heterogêneo, cada qual com modos e manias, eis que em geral gente simples, para não dizer até rudes.

A doutrina do evangelho lhes foi por isso servida em doses oportunas, a partir do aprimoramento quanto a conhecerem Jesus, o salvador, mas até aquele momento para eles um rei poderoso que lhes daria todo bem da terra. Tanto se infere dessa tendência, que, no evangelho de hoje, a possibilidade de um futuro glorioso veio à mente ao menos para Tiago e João.

Tão natural e compreensível da ingenuidade do grupo que mesmo João, de vínculo mais estreito com Jesus, também tendia a favores pessoais e distintos.

Declaradas a Jesus as intenções dos dois interessados, Jesus lhes responde num relato estranho e até ali fora do alcance daqueles ouvintes. Como imaginar Jesus, de tantos poderes comprovados em sucessivos milagres, como o Filho do homem, mas que vinha não só para servir mas até com a entrega da própria vida.

Assim, na realidade do tempo presente mas passageiro, embora seja difícil fazê-lo, que se saiba entender e assumir a precariedade da vida aqui em baixo, em que no geral somente se buscam vantagens e proveito, mesmo em detrimento do bem alheio.

Somos nascidos para glórias não apenas eventuais mas eternas.

Aí, sim.

                                                                                                              João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio