Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 3 de julho de 2015

Águas tranquilas

Águas tranquilas
Escultura de Yinka Shonibare na praça Trafalgar Square, em Londres

Um barbante o despertou ao lhe atravessar as entranhas, armando lentamente sua estrutura: o mastro veio imponente e trazendo o contra-estai, a retranca se estabilizou, e as velas se aprontaram tesas. O homem envolveu o fio na ponta do pau da bujarrona, dando algumas voltas, e trancou com um nó. Ele finalmente se via erigido; honrado. Um levante de euforia lhe acometeu desmedidamente, pulverizando fantasia e furtando-lhe a sanidade. Não viu a vidraça o qual estava inserido, tampouco notou a ausência do aroma das marés. Não percebeu a fragilidade de suas cordas, nem a infantilidade de sua mastreação. Não se deu conta que o estaleiro era uma garagem bagunçada da periferia, muito menos a falta da correria das centenas de pessoas lhe operando. Sequer notou o silêncio no lugar dos rangeres de aço e apitos de alerta do guindaste. Olhou para a frente e se encantou com o Sol nascendo no horizonte, feito do fundo da rolha que tapava a garrafa, lacrando seu destino. Agora navega águas tranquilas.

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

8 de outubro de 2018

Eles Sabiam de Tudo

5 de outubro de 2018

Urna Funerária

8 de agosto de 2018

Estrada

9 de julho de 2018

A ditadura do aroma

28 de maio de 2018

La Ciudadela