Colunistas

Publicado: Quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Acerque-se dessa mesa

Acerque-se dessa mesa

 

 

 

19º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

9 de agosto de 2015 – Ano “B” de Marcos

Evangelho de João (6, 41-51)

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, os judeus começaram a murmurar a respeito de Jesus, porque havia dito:

“Eu sou o pão que desceu do céu”.

Eles comentavam:

“Não é este Jesus o filho de José? Não conhecemos o seu pai e a sua mãe? Como então pode dizer que desceu do céu?”

Jesus respondeu:

“Não murmureis entre vós. Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o atrai. Estava escrito nos profetas: ´Todos serão discípulos de Deus´. Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído vem a mim. Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai.

Em verdade, em verdade vos digo, quem crê possui a vida eterna.

Eu sou o pão da vida.

Os vossos pais comeram o pão no deserto, no entanto, morreram. Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer nunca morrerá.

Eu sou o pão vivo descido do céu.

Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

...............................................................................................................................

Maior explicitude nunca poderia haver.

Jesus fala na primeira pessoa e empresta viva eloquência num modo de dizer direto e explícito. Sem dúvida.

A essa altura, contudo, essa maneira de se expressar e na primeira pessoa a falar de si próprio, tão categoricamente, tinha realmente que causar alguma apreensão.

Justamente por isso Jesus se faz solene e repetitivo.

Não há dúvida nem interpretação outra que não a realidade e crueza do que o Mestre diz. Pois seria pouco ter Ele repetido?

Eu sou o pão da vida. Eu sou o pão vivo descido do céu.

Aos cristãos de hoje, afeitos e crentes na Eucaristia, não mais duvidam ou se incomodam com tanta realidade, a do bem inestimável de quem comunga o corpo e o sangue de Cristo nas espécies, depois da consagração transmudadas, do pão e do vinho.

Forma sábia e milagrosa de Jesus permanecer próximo da humanidadeia.

A sensatez e o óbvio o aconselham: acerque dessa mesa.

                                                 &

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio