Colunistas

Publicado: Domingo, 1 de fevereiro de 2015

A volta, sempre é possível

A volta, sempre é possível

 

 

4º. DOMINGO DO TEMPO COMUM

1º.02.105 – Liturgia do Ano “B”

Evangelho (Marcos, 1, 21-28)

.....................................................................................................................

“”   Na cidade de Cafarnaum, num dia de sábado, Jesus entrou na sinagoga e começou a ensinar. Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da lei.

Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou:

“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o santo de Deus”.

Jesus o intimou:

“Cala-te e sai dele!”

Então o espírito mau sacudiu o homem violência, deu um grande grito e saiu.

E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros:

“O que é isso? Um ensinamento novo, dado com autoridade: ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!”

E a fama de Jesus logo se espalhou por toda parte, em toda região da

Galileia.   “”

...............................................................................................................

Entra-se hoje no mês de fevereiro e em todo ele os evangelhos de Marcos, assim constituído como evangelista destacado na liturgia, anos “B”.

Ainda que em data de ontem, tenha sido publicado comentário e a discorrer sobre este mesmo evangelho, cuidou-se de emendar mais algumas ideias sobre o assunto. Prevalece, pois, o texto atual, sob ligeiro complemento ao de ontem, dia 1º, enquanto, repita-se, tudo se refira ao mesmo evangelho, como reproduzido acima.

Cumprira-se o tempo de anúncio e preparo para a missão de Jesus, no que João Batista se esmerou e por assim dizer de si mesmo nem se cuidou.

A admiração do povo pelos ensinamentos, agora advindos do próprio Mestre e com reconhecida autoridade, deixava estupefatos todos os presentes no templo e, mais ainda, pretensamente revoltado, o cidadão possuído de espírito mau.

Este viu-se libertado daquele peso, pelas palavras pronunciadas com firmeza por Jesus, a causar ainda maior perplexidade junto ao povo.

Quem seria aquele homem a quem até os espíritos maus obedecem?

A partir daí Jesus se tornou assunto para todas as classes de habitantes, pobres, ricos e autoridades.

O homem tomado por espírito mau, sequer se sabe de quanto terá ele sido responsável por domínio sobre a sua própria vontade, a ponto de nem falar por si e parecer na realidade um porta voz do demo. Mas foi libertado, enfim.

Ao se estar contra Deus e alijado de dele receber a graça por se achar alguém inserido no pecado, estará de certo modo também subjugado, tal como o possesso. Conceda-se apenas a diferença de que, quem assim esteja, poderá desprender-se da culpa por si próprio. A partir do arrependimento sincero, sob contrição e concomitante confissão ao sacerdote.

Por mais que a vida soe fácil e rentável, plena de saúde, tudo isso declina perante a mancha do pecado e, mais ainda, se houver obstinação e hesitação para o reencontro com Deus.

Ele sempre aceita e se contenta com a volta do filho pródigo.

                                                                                                                João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio