Colunistas

Publicado: Sábado, 5 de março de 2016

A volta para o Pai

A volta para o Pai

 

 

4º. DOMINGO DA QUARESMA

06.03.2016 – Liturgia do Ano “C”

Evangelho (Lucas, 15,1-3.11-32)

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. Os fariseus, porém, e os mestres da lei criticavam Jesus:

“Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”.

Então, Jesus contou-lhes esta parábola:

“Um homem tinha dois filhos.

O filho mais novo disse ao pai:

“ ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’.

E o pai dividiu os bens entre eles.

Pouco dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região e ele começou a passar necessidade.

Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.

Então caiu em si e disse:

‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe:

‘Pai, pequei contra Deus e contra ti; já não mereço mais ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.

Então ele partiu e voltou para seu pai.

Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos .

O filho então lhe disse:

‘Pai, pequei contra Deus e contra ti, já não mereço ser chamado teu filho’.

Mas o pai disse aos empregados:

‘Trazei depressa a melhor a melhor túnica para vestir meu filho um anel no seu dedo e sandálias nos pés. Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. Porque este meu filho estava morto e tornou a viver, estava perdido e foi encontrado’.

E começaram a festa.

O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo.

O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.

Mas ele ficou com raiva e não queria entrar.

O pai, saindo, insistia com ele. Ele porém respondeu ao pai:

‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.

Então o pai lhe disse:

‘Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’”.   “”

...............................................................................................................................

Dentro do esquema deste espaço – de simples, ligeiras e meras reflexões de passagem apenas, sem maior aprofundamento no geral, certamente que fica a dever muito no que tange à extensão do tema, uma página gloriosa dos evangelhos.

A parábola do Filho Pródigo dá azo a verdadeiros tratados de teologia, esses contudo, a quem os  possa penetrar na sua imensa amplitude.

Ainda assim, com toda limitação para explanar tema de tamanho alcance, fica patente o inexcedível modo divino de perdoar: sem cobranças.

A retomada de amizade entre seres humanos passaria por outros entraves e mesmo assentida, quem garantiria a eliminação de reminiscências a toda prova?

Jesus quer mostrar que, da parte dele, os corações contritos encontram não somente o seu perdão, mas os acolhe com festas.

Quem não sabe ou não ouviu ainda dizer-se, comumente, que Deus perdoa sem cobrar o passado.

Quem ainda não ouviu algures e alhures que se promove mais festas nos céus de quando um pecador se arrepende e volta do que pela fidelidade dos que já estão salvos.

Com o acréscimo de não se entender sejam uns melhores que outros, privilegiados ou preferidos, e sim porque os salvos já usufruem daquela felicidade que olhos e palavras humanas não conseguiriam sequer imaginar em todo o seu esplendor.

Está, portanto, às mãos e ao talante dos mortais vivenciar as excelências do amor de Deus.

                                                                                          João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio