Colunistas

Publicado: Domingo, 8 de dezembro de 2013

A Virgem Maria

II DOMINGO DO ADVENTO  –  LITURGIA DO ANO “A”

IMACULADA CONCEIÇÃO DE NOSSA SENHORA

Dezembro, 8, 2013 – Evangelho (Lucas, 1, 26-38)

..........................................................................................................................

“” Naquele tempo, no sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi, e nome da virgem era Maria.

O anjo entrou onde ela estava e disse:

“Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”

Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. O anjo então disse-lhe:

“Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será

grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor lhe dará o trono de seu pai Davi. Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”.

Maria perguntou ao anjo:

“Como acontecerá isso se não conheço homem algum?”

O anjo respondeu:

“O Espírito virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus. Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, porque para Deus nada é impossível”.

Maria, então, disse:

“Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!”

E o anjo retirou-se.

...............................................................................................................................

Escolhida de Deus, assim aconteceu mercê de seus méritos e virtudes especiais.

Sem pecado concebida; nem poderia ser de outra forma, eis que de seu ventre chegaria o Salvador. Com total razão e júbilo os devotos a proclamam Imaculada.

Mulher predestinada, ela é ciosa, temente a Deus, espontânea, sincera e de um equilíbrio excepcional. 

Assusta-se num primeiro momento, pois não se consorciara com ninguém até ali. Mas retoma a placidez ao saber que tudo se operaria por obra do Espírito Santo.

De impressionante serenidade, não se vangloria nem recusa a missão.

Surpreendente de fato, numa criatura humana, a segurança e sensatez

com que Maria aceitou, sem se fazer de rogada e tampouco sem se envaidecer de tal predileção.

Fiel e cônscia, deu sua concordância plena ao chamamento divino, ao colocar-se à disposição e na humilde condição de serva do Senhor.

A esse tempo, a essa altura, mal poderia ela imaginar que viria a ser feita a Mãe de todos os mortais, por deferência de seu Filho.

Uma maternidade repartida e ampliada a toda humanidade, penhor derradeiro vindo dos estertores na cruz de Cristo.

                                                                                            João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

17 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio