Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 19 de novembro de 2007

A Viagem

Desde criança, Giovana tinha um sonho: Conhecer a Itália. Aliás, este sonho não era bem seu e sim de sua mãe, Ernestina.
 
Ernestina veio da Itália como imigrante, muito jovem, ainda.
 
A esperança de fazer fortuna com facilidade motivou a família a abalar-se de sua distante terra natal até o Brasil, para “fazer a América”, como se dizia.
 
Não pretendiam ficar aqui para sempre. Era só conseguir ganhar um bom dinheiro e voltariam.
 
Mas a realidade não foi bem essa. Conseguiram, trabalhando muito, uma vida digna, mas nada de fortunas. Nem mesmo o dinheiro suficiente para fazer uma visita à terra distante.
 
Ernestina nunca perdeu o contato com os primos que ficaram na Itália. Eles estimavam-se muito e tudo que queriam era uma oportunidade de reverem-se e, enquanto isso não era possível, correspondiam-se regularmente.
 
O tempo foi passando, os mais velhos foram desaparecendo e os filhos continuaram mantendo correspondência com a prima do Brasil, que não conheciam, mas, de quem os pais tanto falavam.
 
Quando foi a vez da Ernestina deixar este mundo, Giovana assumiu a prazerosa obrigação de comunicar-se com os parentes italianos e fez seu o sonho da mãe. Um dia iria a Itália conhecer pessoalmente aquele pessoal tão simpático que conhecia de nome desde a primeira infância.
 
Mas, também para ela o sonho se fez impossível.
 
Quando ia casar-se, tinha conseguido guardar um dinheiro suficiente para a viagem, mas achou mais sensato usá-lo para dar a entrada em uma casa.
 
Thiago, o marido, ficou meio constrangido com isso.  Chegou a sugerir que ela fizesse a viagem antes do casamento, mas ela, na ocasião, estava mais interessada no casamento e empurrou o sonho mais um pouco.
 
Thiago prometeu, então, a ela que um dia lhe daria o passeio. Que iriam juntos! Quem sabe nas bodas de prata?
 
No dia do casamento, as bodas de prata parecem tão distantes! Parece que vinte e cinco anos são uma eternidade!
 
Ernestina sorriu e guardou suas palavras gentis, assim como todas suas juras de amor eterno no mais recôndito recanto de seu coração.
 
E o tempo continuou passando, sucedendo-se alegrias e tristezas, encantos e desencantos naturais na vida de todos nós.
 
Tiveram três filhos. Lutaram muito para lhes dar uma vida confortável. Pagar-lhes os estudos, satisfazer-lhes os caprichos.
 
Mas o sonho da viagem sobrevivia a tudo, embora Giovana evitasse falar no assunto. Não queria que Thiago se sentisse cobrado de sua promessa que ela sabia que ele não tinha como cumprir.
 
E a correspondência com os italianos continuava. Já tinha até netos dos primos de sua mãe que escreviam para ela. Primos em terceiro e quarto grau, desconhecidos, mais amigos do que muitos irmãos!
 
E sobrevieram os dias tristes.
A filha mais velha quis ir para os Estados Unidos, estudar e trabalhar. Giovana juntou suas economias e deu a ela para que começasse sua vida do jeito que escolheu.
 
O filho do meio faleceu em um acidente.
Giovana e Thiago sofreram muito, pensaram que nunca iam se conformar, mas o tempo tem o poder de cicatrizar as feridas da alma tornando o que foi uma dor cruciante, uma lembrança cheia de ternura, nos corações bem formados, alimentados pela Fé.
 
E mais algum tempo se passou.
Quando a caçula se casou, Thiago e Giovana ficaram novamente sós e foi então que ele fez a surpresa:
 - Chegou a hora! Vamos para a Itália! Pode marcar a data e arrumar as malas!
 
Giovana riu:
- De que jeito? Gastamos o que tínhamos e o que não tínhamos para fazer as despesas do casamento!
- Isto é o que você pensa! Eu tenho o dinheiro guardado há muito tempo!
 
E Thiago, enfim, revelou um segredo:
Desde que deixara de fumar, logo depois de seu casamento, começou a guardar em uma poupança o dinheiro com que compraria os cigarros. Era o dinheiro para a viagem que ele não usaria para nada mais.
 
Giovana estava pasma! Tanto ela como a mãe sonharam a vida toda, mas não fizeram nada de concreto para realizar esse sonho e seu marido foi tão objetivo com um sonho que não era dele! Seu orgulho pelo maridão aumentou mais, se é que isso era possível!
 
-Eu não acredito! Passamos tantas dificuldades! Você financiou o carro que compramos, fez uma cirurgia no SUS, sempre dizendo que não tinha dinheiro!
- E não tinha mesmo. Este dinheiro estava queimado com os cigarros. Só o usaria para a viagem e para nada mais.
 
Nem sei o que dizer! Você fez um sacrifício desses, deixou de fumar, só para realizar o meu sonho! Teve a pachorra de guardar aos pouquinhos, quase a vida toda!
 
Lembre-se de que o maior beneficiado fui eu mesmo que me livrei de um vício que só me fazia mal. Se não fosse por uma boa causa eu estaria fumando até hoje e morreria sem conhecer a Itália.
 
E lá se foram os dois, como se estivessem em uma segunda lua de mel.
 
E, de lá onde está, com certeza, Ernestina sorriu para eles desejando-lhes uma boa viagem.
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida