Colunistas

Publicado: Sábado, 13 de dezembro de 2014

A Vassoura e o Chinelo

Crédito: Escultura de Ron Mueck A Vassoura e o Chinelo
Anjo

Agora encostada na parede, a Vassoura, que tem a cabeça no chão, estava em igual condição, portanto, ao Chinelo. Mas o fitava com desdém. "Boa tarde, Sr. Chinelo, venho de varrer a casa toda. Ufa! Não é fácil deixar a coisa limpa", disse olhando para o horizonte, como se ele tivesse interesse em sua lida. E continuou, pedante: "É, pelas minhas cerdas já se passaram de tudo; fotos rasgadas, brinquedos velhos, os primeiros fios de cabelo branco, copos quebrados, uísque doze anos... Se não fosse eu, esse povo aqui teria sérios problemas respiratórios. Sem contar as mulheres e crianças, que protejo frequentemente espantando baratas, lagartixas e, dia desses, até um sapo!" Fez uma pausa, olhou debochada para ele e complementou: "Uma pena que o senhor não sirva pra tanto e seja tão humilhado". A Vassoura ia continuar quando foi interrompida pelo Chinelo, que disse mansamente: "Engano da senhora, mas vou preferir me ater ao fato de que vassouras só saem pra passear em historinhas com bruxas".

Comentários

Conto... ou não conto?

Alex Pinheiro

Alex Pinheiro

Consultor em Turismo Receptivo e Turismo na Internet, exerce na literatura o seu desafio pessoal '1000 caracteres de uma história'. É colunista do jornal Taperá (Salto-Itu-Indaiatuba)

Arquivo

11 dias atrás

"Desculpe-me"

23 dias atrás

Utilidade Pública

30 dias atrás

Os párias

18 de março de 2019

Terra baixa

27 de dezembro de 2018

Bebê a bordo