Colunistas

Publicado: Sábado, 7 de março de 2015

A sacralidade do templo

A sacralidade do templo

 

 

3º. DOMINGO DA QUARESMA

Março, 8, 2015 – Ano “B” de Marcos

Evangelho (João, 2, 13-25)

...............................................................................................................................

“”   Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. No templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. E disse aos que vendiam pombas:

“Tirai isso daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!”

Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz:

“O zelo por tua casa me consumirá”.

Então os judeus perguntaram a Jesus:

“Que sinal nos mostras para agir assim?”

Ele respondeu:

“Destruí este templo, e em três dias eu o levantarei”.

Os judeus disseram:

“Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?”

Mas Jesus estava falando do templo do seu corpo. Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele.

Jesus estava em Jerusalém durante a festa da Páscoa. Vendo os sinais que realizava, muitos creram no seu nome. Mas Jesus não lhes dava crédito, pois ele conhecia a todos; e não precisava do testemunho de ninguém acerca do ser humano, porque ele conhecia o homem por dentro.   “”

...............................................................................................................................

Está por demais explícito como e porque Jesus, corajosamente e cheio de revolta, cuidou de desbaratar a tradicional feira que os judeus promoviam em torno do templo, na festa da Páscoa. Eis que nunca e jamais se há de misturar causas e objetivos, mormente quando se trate de ações que envolvem espiritualidade e crença.

Muito claro, afinal, que templo e suas cercanias não sejam mercado.

Quase que se fica em parte a desconfiar se, às vezes, promoções arrecadadoras de recursos no entremeio ou até durante celebrações litúrgicas católicas dos tempos atuais, não se aproximam um pouco dessa inadequação, tão verberada por Jesus...

A compunção, o respeito, a consciência plena dos instantes de recolhimento e de práticas religiosas sãs e sadias, que levam o fiel a se firmar sempre mais nos ditames da Igreja, coordenadas lá em cima por Sua Santidade o Papa, estarão indubitavelmente sempre acima de quaisquer derivações. Algumas às vezes a talvez acontecer sem maldade e por mero descuido.

Importante que a sacralidade da religião católica, apostólica e fundamentada em Roma, esta é sólida e de ditames bem definidos.

Vive-se nestes dias o clima de recolhimento e unção, tempo de reflexão e recolhimento, a ver a quantas andam as ações de cada um.

Verdadeiro desafio, conceda-se, que em tempos de hoje se salvaguarde com a devida propriedade a prática cristã das tendências se não pagãs, duvidosas pelo menos muitas vezes.

Hora e vez, momento certo, o do recolhimento em plena quaresma, quando os fiéis se aprofundem e se examinem, com o fim precípuo de sempre e por tudo de ter em Jesus, Deus e Senhor, a inspiração maior da vida.

                                                                                               João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

18 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio