Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

A Renúncia de Bento XVI

Crédito: Internet A Renúncia de Bento XVI
Até a Páscoa teremos um novo Papa.

Hoje é dia de Nossa Senhora de Lourdes e o mundo foi pego de surpresa com a renúncia de Bento XVI. Há quase 600 anos que algo assim não acontecia. Certamente virá mais um período de mudanças, de muita especulação e confusão, tanto por parte de católicos quanto dos que não comungam da mesma fé.

Com o gesto de hoje, o Papa (sim, ele ainda é o Sumo Pontífice até o dia 28 de fevereiro) mostra mais uma vez o jeito alemão de exercer o papado. Foi direto, objetivo e metódico. Não foi teatral, não fez drama algum, não espetacularizou sobre o assunto.

Ao ler o comunicado no qual manifesta sua vontade, podemos perceber uma grande sinceridade. Ele, mais do que ninguém, se conhece. Sabe que, daqui para a frente, sua saúde tende a deteriorar-se. É triste, mas bonito ao mesmo tempo, perceber que o Papa tem a lucidez e a honestidade de revelar-se sem o vigor necessário para sua missão. E é preciso muita coragem para chegar a este ponto.

O Cardeal Ratzinger acompanhou de perto, durante muitos anos, o sofrimento físico de seu predecessor. Mesmo com todas as limitações físicas que o afligiam, o Papa João Paulo II sequer cogitou renunciar às suas funções. O que não significa que um seja melhor que o outro ou vice-versa. São tempos e momentos diferentes, são pessoas e personalidades diferentes.

Bento XVI entende que, no mundo dinâmico e desafiador de hoje, a Igreja Católica precisa ter à frente alguém com plenas condições, tanto físicas quanto espirituais. Conduzir na fé milhões de pessoas espalhadas pelo mundo não é serviço fácil. É realmente esgotante, exige literalmente a vida de quem ocupa a Cátedra de São Pedro.

Não faltarão teorias conspiratórias e devaneios. Mas os católicos de fé madura devem interpretar esta renúncia do Papa como mais um ato da Providência Divina que, há mais de dois mil anos, guia a Igreja através da História humana. Estou certo de que tudo seguirá seu curso como o esperado, de acordo com as leis eclesiásticas.

Depois de ver eleito seu sucessor, o Cardeal Ratzinger passará a ser emérito. Do alto de seus 85 anos, levará uma vida de orações e descanso. Algo mais que merecido para quem entrou no seminário com 12 anos de idade. Certamente ele continuará unido a todos os católicos em suas intenções.

Não há como prever o resultado de um Conclave, mas é certo que até a próxima Páscoa os católicos do mundo inteiro já estarão sob o báculo de um novo Papa. A barca de Pedro (Igreja) seguirá navegando rumo às águas profundas, na missão dada por Cristo de ser pescadora de homens.

Amém.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo