Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 30 de junho de 2008

A Professora de Português

Brasilina era uma ótima professora de português.
Os bons alunos a endeusavam. Mas, os relapsos (a maioria) a detestavam.
Nas vésperas do Vestibular, suas aulas particulares eram disputadas, pois, quem fosse seu aluno estaria com a aprovação garantida.
 
Professora vinte e quatro horas por dia, o tempo todo estava observando e, quando podia, corrigindo os erros de gramática ou ortografia dos que a rodeavam.
Diariamente, lia os jornais com uma caneta vermelha na mão e assinalava todos os erros que encontrava. Depois escrevia criticando (na melhor das boas intenções), mas os redatores a odiavam.
 
Quando jovem Brasilina teve dificuldade para arranjar um namorado. Ela nunca namoraria alguém que não falasse e escrevesse corretamente e, como os puristas, entre os jovens, são raríssimos, dificilmente ela encontraria algum.
Sua fama, no entanto, chegou ao Olimpo e Cupido resolveu dar-lhe uma mãozinha.
Afiou cuidadosamente duas setas e disparou-as em direção à Terra com endereço certo.
Brasilina e Mayco conheceram-se e apaixonaram-se.
Ela não se conformava, a princípio com o nome dele.
Por que um casal de brasileiros põe no filho um nome estrangeiro? Já que tinham esse imperdoável mau gosto, pelo menos que o escrevessem em sua grafia original e não desse jeito com esse ridículo y espetado no meio!
 
O Mayco não era nenhum fanático pela correção gramatical, muito pelo contrário, era um professor de matemática voltado para as ciências exatas e achava que a finalidade da língua era a comunicação e nada mais. Todo o resto lhe parecia uma grande bobagem.
Entretanto, apesar das diferenças, os dois acabaram se casando, pois o amor sempre consegue transpor as barreiras.
O casamento de Brasilina e Mayco seguiu o curso normal da maioria:
Empolgação... Decepção... Acomodação...
Mayco acostumou-se a ler os jornais rabiscados de vermelho e a encontrar os recados que deixava para ela na porta da geladeira, devidamente corrigidos.
Brasilina não conseguiu acostumar-se com os deslizes gramaticais de Mayco, mas não se aborrecia com isso, repetia monótona e incansavelmente as mesmas coisas na esperança de que um dia ele aprendesse. Afinal era professora e estava acostumada com alunos difíceis.
 
Mas, um dia, uma terrível tragédia desabou sobre o lar de nossos dois heróis.
Apareceu outra mulher na vida de Mayco, para desespero de Brasilina.
Paixão avassaladora, dessas que levam um homem a esquecer todos os valores, princípios, compromissos, responsabilidades, decência, etc.
Mayco resistiu o quanto pode, mas acabou acontecendo o inevitável, resolveu deixar a Brasilina para ir viver com a outra.
No momento decisivo, no entanto, não teve coragem de despedir-se dela, olho no olho. Preferiu deixar um bilhete com aquelas velhas desculpas de cônjuge infiel:
“Foi muito bom, mas acabou... desejo que você encontre alguém que te faça feliz...”
Brasilina, afogada em lágrimas, olha a sua volta, ansiosa, procurando a caneta vermelha,
Nunca conseguiu entender, muito menos, se conformar com aquilo:
- Não sei o que ele viu nela! Fala errado, escreve mal, não deve saber sequer conjugar um verbo corretamente!
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida