Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

A operadora de telemarketing

Solange senta-se em frente ao telefone e se dispõe a começar seu dia de trabalho.

Este não é exatamente o emprego que ela queria, mas foi o que conseguiu.

Tem consciência de que ninguém gosta de atendê-la, que muitas vezes toca em horas impróprias.

Fazer o quê, se o seu horário é das 8 às 16 horas e dentro dele tem que fazer um mínimo de ligações para garantir um mínimo de salário.

De manhã as pessoas, às vezes, ainda não acordaram, outras vezes estão tomando o café da manhã, aprontando as crianças para a escola, limpando a casa, lendo o jornal ou preparando o almoço.

À tarde, estão descansando, recebendo visitas, vendo a novela.

Não há na agenda de ninguém um horário para telemarketing.

Os educados (raríssimos, quase inexistentes)

- Boa tarde! Aqui é a Solange, do Banco da Esperança.

- Muito prazer!

- Estamos oferecendo empréstimos para aposentados com juros baixos...

- Que interessante, vou falar com meu marido. Quando formos ao Banco direi que foi você que me contatou.

- Boa tarde pra você também.

Os irônicos:

- Estamos lançando um novo cartão de crédito.

- Desculpe, no momento não posso atender.

- Quando posso retornar? Qual o melhor horário para o senhor?

- Domingo. Às 3 da manhã.

Ela devia ligar mesmo às 3 da manhã!

Os grosseiros:

- Boa tarde, meu nome é Solange, do Banco Esperança.

- É? Soube que vocês têm um plano de saúde muito bom.

- Oh! Sim! É o seguinte...

- Não me interessa! Por que não oferece para sua vovozinha que deve estar precisando?

Os atrevidos:

- Boa tarde! Sou a Solange

- O Banco da Esperança está oferecendo um crédito de R$ 3.000...

- Pode creditar na minha conta, depois vamos você e eu queimá-los em um motel.

E assim Solange vai fazendo o seu trabalho e ao mesmo tempo fazendo um estudo do comportamento humano.

Acho que podemos saber muito sobre uma pessoa, simplesmente pela maneira que ela atende a um inoportuno operador de telemarketing.

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida