Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 28 de maio de 2010

A nova obra viária da cidade

A nova obra viária da cidade

- Ah, ah, ah coronel, o Zeca Diabo está aí na porta!

Quarta à noite era dia de assistir ao genial O Bem Amado. Odorico Paraguaçu, Dirceu Borboleta, as irmãs Cajazeiras e Zeca Diabo só para lembrar dos personagens centrais.

E pensar que o Dias Gomes era casado com a Janete Clair. È como se hoje a criadora do Harry Poter fosse casada com o James Cameron do Avatar.  

- Mas você acha que a obra dessa avenida é necessária aqui em Itu? Será que a cidade comporta uma avenida desse tamanho?

Estávamos comemorando o aniversário de uma amiga querida. Dois casais e nossos filhos. Papo vem, papo vai:

- Um vinho chileno ou continuamos nesse nacional?

Lá fora uma lua cheia gorda e luminosa.

- Nossa, a noite está que é um dia!

-Você não sabe? Essa avenida virá desde lá de perto do Colombo, da video-locadora, e chegará até à escola Almeida Júnior.

- Ôba! Então poderemos ir de nossa casa nova, lá no portal, até à escola do Léo de bicicleta!

- Como assim?

- Ué, você não falou que a avenida virá desde o Colombo até o Almeida Júnior?

- Sim, mas o que isso tem a ver com andar de bicicleta?

- Ciclovia!

- Não vai ter ciclovia nessa avenida nova.

Aí lembrei-me do Planeta dos Homens. Estava super televisivo naquela noite.

Um dos quadros do programa do Jô que viraram espécie de slogan na época era aquele do macaco careca que dizia:

- Não precisa explicar, eu só queria entender.

- Uma mega-obra viária na administração do partido verde sem ciclovia?!

As crianças começavam a dar sinal de que estavam com sono.

Um estava estirado embaixo de uma cabana improvisada com quatro cadeiras e um lençol, o outro dormia no colo do pai, e o terceiro não parava de chorar.

- São todos iguais, só muda o endereço.

- Ainda bem, né? Assim aliviamos um pouco nossa culpa e nossas inseguranças.

- Mas como? Vão fazer uma avenida enorme sem ciclovia?

- Pois é,

- Passa o vinho, por favor.

- Parece quer esse pessoal aproveita a história de Itu ser o berço da república para dormir no ponto.

- Imagine, impressão tua. Você não reparou? Depois que o partido verde ganhou as eleições municipais muitas coisa mudou por aqui. Além da iluminação verde nos monumentos históricos, a sede do partido verde também foi pintada de verde.

- Ah, bom. Então está melhor.

Daria minha mão direita para ver o Zeca Diabo por aqui numa reunião com o prefeito.

- Ai meu Deus, minha santa mãezinha não deixe eu matar esse homem. Ai meu padinho padre Cícero me ajuda senão vou cometer uma besteira.

- Mas o que foi Zeca Diabo? Por que você está tão nervoso?

Pergunta o prefeito Odorico Paraguaçu aflito.

Entra o assustado Dirceu Borboleta e explica tudo:

- Ah, ah, ah Coronel, é que o Zeca Diabo comprou uma bicicleta e agora ele quer que tenha ciclovia aqui em Sucupira.

- Sucupira será a cidade mais bicicleteira do Brasil. Do Brasil não, do mundo.

Zeca Diabo começa a se acalmar com a informação, mas logo sofre uma recaída:

- A cidade pegada aqui do lado está cheia de ciclovia e Sucupira não pode ficar atrás!

O homem ameaça sacar sua arma e o prefeito tenta acalmá-lo:

- Mas quem foi que falou que nós não vamos reagir? Acabamos de pintar a sede do partido de verde. Somos a administração mais samambaística do país. Qual cidade pode se orgulhar de ser mais verde do que a nossa? Pintamos de verde até a sede do partido que é para dar o exemplo. Aproveitamos e colocamos luzinhas verde para iluminar todos os monumentos históricos da cidade. Temos um compromisso com as questões ambientalísticas. Não vai ser essa mixaria bicicleteira que irá ofuscar nosso compromisso clorofilístico com toda a sociedade Sucupirense. Sucupira pedala em direção ao progresso com mais essa obra viária de importância ecologística grandiosa.

- Foi?

- Na minha administração, Sucupira será a cidade mais verde do país, vai ser conhecida em todo o mundo como a capital da clorofila!

Ao ouvir aquelas palavras Zeca Diabo se destempera e puxa a arma de novo, é que ele pensa que clorofila é algum tipo de ofensa.

- Vamos abrir outro vinho?

- Amanhã acordaremos cedo, já está tarde para as crianças. Deixemos para erguer mais um brinde numa outra ocasião.

Aí então – quem sabe? - poderemos aproveitar a oportunidade e o vinho para brindarmos também a inauguração do cemitério do prefeito Odorico Paraguaçu, a prisão de Sinhozinho Malta e do Mão Santa, o fim do mistério sobre quem matou Odete Roitman e Celso Daniel e a convocação do Coalhada para fazer dupla com o Josué na seleção do Dunga.

 

 

 

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV