Colunistas

Publicado: Terça-feira, 21 de agosto de 2018

A Morte do Jornalismo

Crédito: Internet A Morte do Jornalismo
Triste é perceber que o verdadeiro jornalismo está morrendo.

Vítima de câncer no pâncreas, faleceu esta manhã o diretor de redação da Folha de S. Paulo, Otavio Frias Filho, com apenas 61 anos. É inegável que seu trabalho foi profícuo ao longo de décadas à frente do diário paulista. É comum que os necrológios exaltem os falecidos. Trata-se daquela velha história: depois que morre, qualquer um vira santo.

Não me deterei em comentários sobre a vida e a obra do colega ora finado. Penso mais é no legado que deixou e talvez o maior deles seja mesmo a Folha de S. Paulo, da qual afastou-se há quase um ano justamente por causa da doença. Frias fez história modernizando o jornal. A partir da campanha do “Diretas Já”, a Folha ficou nacionalmente conhecida como um baluarte da democracia.

É triste verificar, porém, como isso mudou ao longo das últimas décadas e principalmente a partir dos últimos cinco anos. A Folha de S. Paulo tornou-se um reduto de comunistas militantes no jornalismo, não de jornalistas verdadeiros. Não é que nunca tivesse sido assim, mas as novas gerações de jornalistas não têm vergonha alguma de instrumentalizar conceitos sagrados como a verdade, a imparcialidade, o direito ao contraditório, na hora de produzir suas matérias.

Hoje a Folha de Frias é uma das maiores produtoras de fakenews (notícias falsas, enviesadas e parciais) da nossa chamada “grande mídia”. Como toda empresa de mídia que influencia a opinião pública, é óbvio que ela tem seus acordos em nível institucional. Empresas como o Grupo Folha podem, em alguns dias, construir ou destruir reputações a seu bel-prazer, conforme os próprios interesses.

Mais triste do que a notícia da morte de um colega tão proeminente, é verificar que a Folha de S. Paulo deixou de lado o jornalismo verdadeiro, aquele produzido nas ruas honestamente e inclusive com espaço para o jornalismo literário (new journalism). O diário preocupa-se apenas em cumprir direitinho a pauta marxista (socialismo, feminismo, gayzismo, racialismo, etc.) e de referência democrática passou a ser claramente o porta-voz da esquerda nacional. Alguém já reparou que o presidiário de Curitiba está quase diariamente na capa do jornal?

Lamentamos a morte de Otavio Frias Filho. Lamentamos também a Folha de S. Paulo estar na UTI. Lamentamos a morte do jornalismo brasileiro, cada vez mais refém de gente despreparada e comprometida ideologicamente, o que faz do nosso noticiário cotidiano uma colcha de falsidades apresentadas aos leitores como se fossem histórias da carochinha.

Que todos descansem em paz.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é diácono transitório na Diocese de Jundiaí (SP) e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo