Colunistas

Publicado: Domingo, 23 de outubro de 2016

A humildade preside a oração

A humildade preside a oração

 

 

30o. DOMINGO DO TEMPO COMUM

23.10.2016 – Ano “C” de Lucas

Evangelho (Lucas, 18, 9-14)

...............................................................................................................................

“”    Naquele tempo, Jesus contou esta parábola para alguns que confiavam na própria justiça e desprezavam os outros:

“Dois homens subiram ao templo para rezar; um era fariseu, o outro cobrador de impostos.

O fariseu, de pé, rezava assim em seu íntimo:

´Ó Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este cobrador de impostos.

Eu jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de toda a minha renda´.

O cobrador de impostos,porém, ficou a distância e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo:

´Meu Deus, tem piedade de mim, que sou pecador!´

Eu vos digo:

Este último voltou para casa justificado, o outro não.

Pois quem se eleva, será humilhado e quem se humilha será elevado”.    “”

...............................................................................................................................

Um texto breve como este – uma história simples – evidencia com a clareza de um dia aberto e limpo, que num contato com Deus para oração de toda sorte, o homem deve abstrair-se de si e centralizar as atenções específica e inteiramente em Deus!

O caráter e as intenções de quem reza, Deus sabe de antemão, mas se compraz quando seus filhos o procuram com humildade.

Na hora de rezar, que o fiel fale ou pense com muito recolhimento, por saber que nesses momentos especialmente, Deus Nosso Senhor está acima de tudo.

Não seja preciso portanto que ninguém se justifique ou desfile prerrogativas ou vantagens para emoldurar suas orações.

Com simplicidade, absorto até do que haja ou aconteça ao redor, numa concentração total, aí se dirija o ser humano ao seu Criador.

Piedosamente. Humildemente.

Não faltará até às vezes que nem palavras ou relatos sejam necessários, eis que Jesus lê os corações sinceros.

Este evangelho faz lembrar certa pessoa, numa dada ocasião em que, na recitação do terço, se pedia pela saúde de alguém que a ciência dava como dificilmente recuperável.

Antes das invocações, ela dizia com toda naturalidade: vamos rezar este terço

para que essa cura aconteça.

Eis que com o tempo a pessoa sarou, constituiu família e viveu longos anos.

                                                                              

                                                                                   João Paulo

 

                                                                     

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio