Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 5 de outubro de 2009

A figurinha vermelha

Vivi chegou em casa trazendo no colo um cãozinho machucado:
- Veja só, Mamãe, que judiação. Acho que um carro o atropelou. Ele estava caído no meio da rua.

Deitaram o bichinho em uma almofada e, examinando melhor viram que ele não estava gravemente ferido. Com alguns cuidados, certamente, se recuperaria.

- Mas você precisa procurar o dono e devolvê-lo.

- Ah! Isso não! Se eu não tivesse trazido para cá, outro carro ia acabar por matá-lo. Eu o salvei e agora ele é meu!

- Nada disso! Já pensou como o dono deve estar triste? Vê-se que ele é muito bem cuidado. Deve ser muito estimado.

Vivi convenceu-se de que devia mesmo restituí-lo. Mas, como achar o seu dono?

Resolveu por um anúncio no jornal. Por precaução, deu apenas o seu telefone e disse que o dono devia fornecer-lhe alguns detalhes para que ela tivesse certeza de sua autenticidade.

O cão usava uma coleira na qual estava pendurada uma figuinha vermelha.

Várias pessoas ligaram, mas, quando Vivi pedia para descrever a coleira que ele estava usando, nenhuma sabia da figuinha e, eram descartadas.

Passaram-se os dias, o anúncio deixou de ser publicado e não houve mais telefonemas.

Vivi ficou feliz. O cachorrinho era dela, já que o dono não se manifestara. Deu-lhe o nome de Toquinho e passou a cuidar dele com muito carinho.

Mas um belo dia alguém telefonou e, antes que ela pudesse dizer qualquer coisa falou:
- Soube que meu cachorro está com você. Ele fugiu de casa há dois meses e só não morreu abandonado porque usa uma figa vermelha na coleira. Você sabia que as figas afastam os azares?

Vivi não pode deixar de rir:
- Por que demorou tanto para procurá-lo?

- Tivemos um problema sério aqui em casa no dia que ele sumiu. Não vimos o jornal aqueles dias. Só hoje soube do anúncio e pude telefonar para você.

Muito a contragosto Vivi deu seu endereço e disse a ele:
- Pode vir buscá-lo.

Logo mais ele estava batendo a sua porta.

Era um rapaz muito simpático, que foi logo dizendo:
- Desculpe não ter vindo antes, mas eu tive um problema muito sério...

Vivi percebeu que ele queria falar e o animou:
- Não quer me contar o que foi que lhe aconteceu?

- Aconteceu que eu estava noivo, com o casamento já marcado e minha noiva, de repente, resolveu romper o noivado. Disse que tinha encontrado um ex-namorado e resolvera reatar com ele.

- Que coisa!

- Mas não foi só isso. Eu fiquei muito nervoso, não conseguia dormir e uma noite fui tomar um calmante e exagerei na dose. Quase morri! Fiquei uma semana no hospital! Pensaram que eu tentara me matar, mas não foi nada disso, não.

- Que susto! Mas agora já está bem?

- Oh! Sim!

Riu:
- Estou curado da intoxicação e da paixão!

- E você quer mesmo levar o Toco? Eu me afeiçoei tanto a ele e acho que ele também já me adotou como madrinha.

- Toco? O nome dele é Rafinha. Eu sou Rafael e ele é Rafinha.

- Eu sou Vivi.

- Sinto muito, mas não posso deixá-lo com você. Ele me faz muita falta. Você compreende, não?

- Sim... Claro que sim... vou buscá-lo... 

- Olhe, não fique triste por isso. Se você quiser, eu trago ele sempre para visitá-la.

Vivi não acreditou que ele cumpriria essa promessa, mas sorriu, tristemente:
- Está bem.

Vivi esperou o rapaz se afastar para dar vazão às lágrimas;

- Que droga! Porque esse cara não morreu de uma vez?

Logo, porém, recriminou-se por seu mau pensamento.

Estou sendo impiedosa e egoísta. O Toco, isto é, o Rafinha é dele. Eu não tenho direito de reclamar nada.

Horas depois, ela recebeu um buquê de flores com o cartão:
“Obrigado pela hospitalidade e pelo carinho. Rafinha”.

- Que rapaz gentil! A sua noiva devia ser uma grandessíssima idiota para dispensar um cara tão encantador!

Contrariando as previsões de Vivi, no entanto, alguns dias depois, o Rafael trouxe o Rafinha para visitar a “madrinha”.

Conversaram muito e combinaram que todos os dias de manhã, bem cedinho, iriam juntos levá-lo para passear e aproveitavam para fazerem, eles também, uma caminhada e conversar.

Em pouco tempo, outros convites foram surgindo: um show, um jogo de futebol, um cinema, um lanche no shoping (sem o Rafinha, é claro).

E foi então que um dia, em meio a uma conversa, ela contou a ele que nunca tivera um namorado.

- Acho isso ótimo! Fiquei com trauma de ex-namorados!

E Vivi ficou pensando, intrigada:
- Que será que ele quis insinuar?

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida