Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A decisão é sua

XXVIII Domingo do Tempo Comum.

Outubro, 9.   2011.

Evangelho consoante Mateus.

Versículos de 1 a 14, capítulo 22.

                                                                    *   *   *   *   *   *   *   *

“”  Naquele tempo, Jesus voltou a falar em parábolas aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo, dizendo: “O reino dos céus é como a história de um rei que preparou a festa de casamento de seu filho. E mandou os seus empregados chamar os convidados para a festa, mas estes não quiseram ir. O rei mandou outros empregados, dizendo: ‘Dizei aos convidados: já preparei o banquete, os bois e os animais cevados já foram abatidos e tudo está pronto. Vinde para a festa!’

Mas os convidados não deram a menor atenção: um foi para o seu campo, outro para os seus negócios, outros agarraram os empregados, bateram neles e os mataram.

O rei ficou indignado e mandou suas tropas para matar aqueles assassinos e incendiar a cidade deles.

Em seguida o rei disse aos empregados: ‘A festa de casamento está pronta, mas os convidados não foram dignos dela. Portanto, ide até a encruzilhada dos caminhos e convidai para a festa todos os que encontrardes.’.

Então os empregados saíram pelos caminhos e reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala da festa ficou cheia de convidados. Quando o rei entrou para ver os convidados, observou aí um homem que não estava usando traje de festa e perguntou-lhe: ‘Amigo, como entraste aqui sem o traje de festa?’ Mas o homem nada respondeu. Então o rei disse aos que serviam: ‘Amarrai os pés e as mãos desse homem e jogai-o fora na escuridão! Aí haverá choro e ranger de dentes’. Porque muitos são chamados e poucos são escolhidos”.  “”

*   *   *   *   *   *   *   *

Neste Décimo Oitavo Domingo do Tempo Comum, fecha-se o ciclo  das parábolas, esta última – a de hoje – igualmente com mensagens óbvias, claras como a luz do dia.

O fecho dela, no versículo 14, está a sentença clássica, de que afinal “são muitos os chamados, e poucos os escolhidos”.

Tenha-se em conta a propriedade no exame da palavra “escolhidos”. Seja afastado o entendimento errôneo, de que haverá privilegiados da sorte nessa anunciada escolha. Não.

Em verdade, cabe a cada qual de per si, fazer-se ou não selecionado, a partir do seu próprio e pessoal assentimento. Ninguém vai viajar de graça, agir como queira, para no final vir a ser apenas um felizardo sem méritos.

E agora é voltar para o começo da parábola. O banquete fora posto para os amigos que o recusaram. Frustrado, o rei mandou seus empregados convocar gente de forma aleatória pelas ruas, caminhos e esquinas, entre bons e maus cidadãos. Mesmo nessa segunda chamada, houve alguém desalinhado, - como certamente outros o tenham sido, - que ainda assim não se fizera digno.

O primeiro grupamento de convidados, fora enorme. Na procura seguinte de convivas, havia pessoas em menor número e, ainda dessa vez, poucos os verdadeiramente escolhidos...

                                                                                              João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

20 dias atrás

Olhemo-nos de frente

14 de setembro de 2019

Ovelha desgarrada inquieta o Pastor

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio