Colunistas

Publicado: Quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

A Cruz Antes da Vitória

Crédito: Internet A Cruz Antes da Vitória
Hoje as pessoas querem distância da cruz, quando o segredo é estar abraçado com ela.

A pessoa de Jesus será sempre incompreendida neste mundo. A maioria não o conhece de verdade. Com opiniões pessoais, muitos tecem uma série de visões a respeito dele sem a mínima preocupação por um estudo básico sobre a sua vida e palavras, obra e missão.

Geralmente colocam o "assunto" Jesus no mesmo patamar das discussões de botequim, com as mesmas opiniões rasteiras com as quais costumam papagaiar sobre política e futebol. Falam muitíssimo de Cristo, mas não o querem conhecer realmente. Têm mil idéias sobre o Nazareno, mas não desejam segui-lo de verdade.

Jesus de Nazaré, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, só pode ser conhecido parcialmente, até onde alcança nossa limitada inteligência. Só sabemos o que ele mesmo decidiu nos revelar sobre si. Sua pessoa é muito mais que um enigma, é um mistério. E, como tal, sempre suscitará especulações. Sempre teremos mais dúvidas do que respostas a seu respeito.

É possível, entretanto, conhecer bastante sobre Jesus. Principalmente se tivermos em conta que sua vida deve ser analisada sob o espectro da cruz. Objeto principal de um método cruel e indigno de condenação à morte no tempo do Império Romano, a cruz tornou-se o sinal dos que seguem o Cristo. Tal marca é para os cristãos, ainda hoje, sinal de vitória, ressurreição e vida eterna.

Não há Cristo sem cruz; não há cruz sem Cristo. Não há como pensar nele apenas glorificado e ressurrecto, deixando de lembrar do seu Calvário. Se sentimos a alegria da ressurreição na Páscoa, como não sentir a tristeza pelos sofrimentos impostos a um justo inocente, que só fez pregar a bondade e a misericórdia?

Um cristão que só deseja as alegrias da vida em Cristo, rejeitando as dores que essa mesma vida possui, não entendeu ainda o sentido da cruz. Cai na cilada da ideologia mundana, que nos força à árdua e impossível tarefa de sermos felizes o tempo todo, diante de todos, em todas as situações. A vida real não é assim, mesmo para os seguidores de Jesus. Nossa existência tem cruzes, dores e sofrimentos. Quanto antes aprendermos a lidar com eles, melhor.

Hoje as pessoas querem distância da cruz, quando o segredo é estar abraçado com ela. Pois, quando assim fazemos, estamos também o mais perto possível do próprio Jesus. Ele, que sofreu, saberá nos fortalecer para enfrentarmos nossas dores. Depois o mesmo Cristo, que ressuscitou e venceu a morte, nos guiará para a vitória final da vida eterna.

Antes de colher os frutos de sua colheita, o fazendeiro vence vários dias de sofrimento na lavoura. Antes de receber o canudo na formatura, o aluno passa semestres debruçado nos livros. Antes de uma aposentadoria tranqüila, o trabalhador dedica anos à labuta. Antes de passarmos para a vida feliz na eternidade devemos nos dedicar à vida em Cristo, ainda aqui nesta terra, suportando também as dores, os sofrimentos, as contradições, as injúrias, as maledicências e tantos outros incômodos que nos custam sangue, suór e lágrimas.

Amém.

Comentários

Visão de Mundo

Salathiel de Souza

Salathiel de Souza

Jornalista, professor e teólogo, iniciou carreira em 1996. Membro da Academia Ituana de Letras, é sacerdote católico apostólico romano e autor de "Tudo Pela Missão! - Minha Experiência Missionária em Roraima".

Arquivo

13 dias atrás

CATÓLICO MEIA-BOCA

26 dias atrás

Chame o Padre!

27 de junho de 2019

Tudo, Menos Católico...