Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 14 de setembro de 2009

A bomba d´agua

Alcides chega a casa e encontra a esposa, Antonieta tirando água do poço.

- Eu já disse que não quero que você puxe água do poço. É muito pesado. Pra isso eu pago o Geremias.

 - Mas a água acabou e eu não sei onde está o Geremias.

Cidinho aparece e o pai o recrimina:
 - Por que não veio tirar um pouco de água para sua mãe?

 - Ah! Papai! Isso é obrigação do Geremias.

- Mas, por onde anda o Geremias?

- Está lá embaixo jogando bola.

 - Pois vá chamá-lo então.

Geremias chega reclamando:
 - Eu já enchi a caixa, hoje.

- Mas já acabou. Pode encher de novo. Você ganha pra isso.

Para resolver de vez o problema da água, Alcides resolveu colocar uma bomba no poço. Assim teriam água com fartura sem amolação.

Depois de consultar vários catálogos e pesquisar preço e qualidade, decidiu-se por uma moderníssima, de última geração que mandou vir da Capital.

Assim que chegou a encomenda, mandou chamar o Ramiro, poceiro.

- Quero que você instale esta bomba no poço.

- Mas eu não sei fazer isso não.

- Como não? Você não é poceiro?

- Sou, mas instalar bomba eu não sei, não!

- Vamos ver o manual. Não deve ser difícil.

O manual era em inglês e o Alcides não entendeu uma só palavra.

Chamou o filho:
- Cidinho! Vamos ver como vai o seu inglês. Venha traduzir este manual.

Cidinho folheia, olha e sacode a cabeça:
- Não sei nada do que está aqui.

- Como não? Você não tem aulas de inglês?

- Mas isto aqui eu não aprendi ainda.

- Pegue o dicionário.

Pegou, folheou, encontrou algumas palavras, mas não refrescou nada.

- O Jonas! Garanto que o Jonas dá um jeito nisso.

Jonas era uma espécie de cola-tudo na cidade. Resolvia todos os pequenos problemas de mecânica, eletricidade, hidráulica e outros. Não tinha uma profissão definida, mas fazia de tudo um pouco.

Jonas também não sabia inglês, mas, esperto, não tardou a descobrir como devia ser instalada a bomba e, fez logo toda a instalação.

Mas havia uma parte que tinha que ser colocada no fundo do poço e o Jonas não descia no poço.

Chamaram novamente o Ramiro e o Jonas ensinou a ele como devia ser feito.

O Ramiro desceu, fez a ligação errada e a bomba não funcionou. Subiu de novo. Jonas repetiu a explicação. Desceu de novo, tornou a errar, subiu outra vez, e assim muitas vezes.

De tanto ouvir as explicações, até o Alcides já tinha compreendido e, então, eram os dois para elucidar o Ramiro que cada vez entendia menos. 

Jonas perde a paciência:
- Não sei por que você não entendeu ainda. É tão simples!

- E por que você que sabe não desce lá e resolve isso de uma vez?

- É mesmo, Jonas, você podia descer.

- Eu não desço de jeito nenhum. Você é que devia descer, Alcides!

- Eu? Não!

Ramiro dá uma risadinha irônica:
- Vocês dois aí, sabem tudo, mas não tem coragem de entrar no poço. São uns medrosos!

Floriano, o prefeito, veio fazer uma visita para o Alcides.

Conversa vai, conversa vem, e o Alcides acabou contando seus problemas com a bomba d água.

- Mas você foi comprar bomba para pôr no poço, justo agora que a água encanada já vem aí?

- Verdade? Não estava sabendo.

- Como não? Eu não prometi na campanha?

- É, mas eu pensei...

- Pensou que eu fosse como esses políticos que prometem e depois não fazem? Eu faço questão de concretizar tudo que prometo..

- Que beleza! Vamos ter água encanada! E o serviço, deve ser demorado, não?

- Pelo contrário é muito rápido. É só furar o poço artesiano, construir as caixas, fazer a rede, os encanamentos... Tudo muito rápido.

- E quando é que vai começar o serviço?

- Assim que eu conseguir um patrocínio.

- Bom, se é assim, não vou mais esquentar minha cabeça por causa dessa bomba danada. Vou esperar a água encanada.

E tudo voltou ao marco zero:
- Geremias!

Venha puxar água!

A caixa secou!

Geremiiiias!

Onde está esse moleque?

G –e- r- e- m- i- a- s ! ! !

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida