Colunistas

Publicado: Segunda-feira, 26 de novembro de 2007

A Benção da Vida

O casamento de Nanci e Saulo nunca foi feliz. Os dois eram muito diferentes, não se entendiam, brigavam muito. Saulo queria a separação, mas Nanci não concordava.
 
Religiosa e conservadora, alegava que casamento era para toda a vida.
 
Na sua família nunca houvera uma separação e ela não queria ser a primeira.
 
Mas, na verdade, Nanci não queria deixar o Saulo livre. Não o amava, sabia que ele tinha casos, mas não suportava a idéia de vê-lo casado com outra.
 
Na cidade onde sempre vivera, tinha parentes e amigos que supriam, em parte, a falta do companheiro.
 
Quando Saulo foi removido para a Capital, novamente, ele falou em separação. Seria melhor para ela, já que o casamento estava acabado mesmo, mas ela, mais uma vez, discordou dele e foram juntos para a cidade grande, desconhecida e hostil.
 
Saulo logo foi fazendo sua roda de amigos com os quais passava as noites em alegres encontros, enquanto Nanci, muito só, agora sem parentes nem amigos por perto, foi se entregando a uma tristeza muito grande e acabou adoecendo gravemente.
 
Ficou meses internada, entre a vida e a morte, sem esperanças de recuperação.
 
Mas aconteceu um milagre. De repente Nanci começou a reagir aos tratamentos e acabou sendo completamente curada.
 
Depois de ter visto a morte tão perto, Nanci renasceu para a vida, completamente mudada, cheia de alegria e esperança.
 
Saulo, no entanto estava muito preocupado.
 
Durante o tempo em que Nanci estivera doente, ele conhecera e se apaixonara por outra mulher. Como todos eles pensavam que o caso de Nanci fosse irrecuperável e esperavam pelo desenlace para se casarem. Agora não sabiam o que fazer.
 
Ele temia voltar a falar-lhe de desquite.
 
Ela, por certo, recusaria e ele seria obrigado a contar-lhe toda a verdade e forçar a separação.
 
Não era isso que ele queria. Apesar dos pesares tinha certo afeto por ela. Não gostaria de magoá-la, logo agora, quando ela estava tão feliz.
 
Mas Nanci tinha uma surpresa para ele:
- Estive pensando no nosso caso e cheguei à conclusão que é melhor mesmo a gente desquitar-se. A vida é boa demais, grande demais, importante demais para que a gente a desperdice com picuinhas e ciumeiras bobas. Vamos procurar, cada um de nós, a sua própria felicidade preservando o que restou de toda a nossa experiência juntos, a Amizade. Vamos abençoar o Dom da Vida!
 
Nanci voltou para a sua cidade, reencontrou os parentes e amigos, reconstituiu o seu mundo e recomeçou uma vida nova.
 
Saulo casou-se com a mulher de seus sonhos e foram muito felizes.
 
A vida ministra-nos muitas lições através do amor, mas nós, muitas vezes, só assimilamos as lições dolorosas.
Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida