Colunistas

Publicado: Sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A aventura se Isabela

Era o primeiro dia de aula de Isabela e sua mãe estava aflita. Telefonou várias vezes e embora dissessem que ela estava bem, que podia ficar tranquila, ela não conseguia sossegar. Seu instinto materno lhe dizia que algo ia acontecer e foi com grande ansiedade que dirigiu-se ao colégio para apanhar a filha ao fim do dia.

Faltavam alguns minutos para o término das aulas, mas como ameaçava um temporal as professoras liberaram os alunos para o caso das mães virem busca-los um pouco antes do horário.

Quando Isabela viu as outras crianças saindo, pensou que estivesse na hora de ir pra casa e num descuido da professora saiu para a rua à procura da mãe.

Como não a encontrou foi andando sem rumo tentando voltar sozinha para casa e acabou se perdendo.

Estava chorando e tentando atravessar a rua quando Zilah a viu, parou o carro, desceu e a segurou. Viu que ela estava perdida e ficou sem saber o que fazer. A chuva aumentava rapidamente, ela sabia que aquela rua alagava, precisava sair logo dali, mas não podia abandonar a menina.

Acabou convidando-a a entrar no carro e levou-a para sua casa.

E agora? Que fazer? Sabia que tinha comprado uma bela encrenca, mas não se arrependia. Pelo menos na sua casa a garota estava em segurança e isso era o mais importante.

Pensou em telefonar para a polícia, mas ficou com medo, pois não sabia como seria interpretado o seu gesto. Tentou ligar para a Assistência Social, mas não foi atendida.

Enquanto isso, a mãe de Isabela chegou ao Colégio para apanhá-la e não a encontrou;

A professora ficou desesperada, tinha havido certo tumulto na saída das crianças quando começava a chover e... não tinha como explicar o ocorrido.

Só restava ir à polícia, fazer a ocorrência, esperar que alguém pudesse dar uma informação.

Quando Zilah tomou coragem e ligou para a polícia, já havia a ocorrência.

Os pais foram avisados e quando chegaram para busca-la a encontraram muito tranquila vestindo uma blusa da Zilah enquanto sua roupinha secava pendurada no varal.

Foi um susto inesquecível para os pais de Isabela.

Ela mesma achou a aventura muito divertida e repetiu inúmeras vezes a história do seu sumiço, de como estava gostoso o lanche que a tia Zilah lhe deu e de como ela ficou bonita vestindo uma roupa de gente grande.

Comentários

Os contos da Maith

Maith

Maith

Escritora amadora, apelidada carinhosamente de bisavó blogueira. Vive em Sorocaba.

Arquivo

30 de abril de 2012

Um rosto barbado

23 de abril de 2012

O ovo da Páscoa

16 de abril de 2012

Pode me chamar de Judas

9 de abril de 2012

Do diário de uma adolescente

2 de abril de 2012

Flores da minha vida