Colunistas

Publicado: Terça-feira, 30 de março de 2010

A arte do desencontro III

A arte do desencontro III

Final de semana prolongado. Folga na faculdade.

Marquinhos adorava o mar. Falou em praia, falou em Marquinhos.

Previsão do tempo: Sol e muito calor nos próximos três dias. Pouca nebulosidade.

Um convite de última hora empolgou o rapaz.

Um casal da velha turma iria para Ubatuba, com eles a irmã mais nova da moça. Marquinhos aceitou o convite mais pela irmã caçula de Sofia do que pela praia.

Ninguém discutia que Sofia superava de longe, em atributos físicos, a sua irmã caçula. Isso de forma alguma desabonava a garota que também causava alvoroço entre os rapazes. 

A casa de praia dos pais de Sofia era bastante confortável. Próxima a praia, uma boa varanda e três quartos. Com certeza o quarto dos pais seria ocupado por seu amigo Rogério e sua namorada; Sofia. Ainda sobravam dois quartos.

Era muito quarto para os planos de nosso Casanova!

Chegando lá daria um jeito.

Partiram os quatro na manhã do dia seguinte. Marquinhos e Rogério na frente e as duas irmãs atrás.

Marquinhos havia planejado ir atrás com Juliana, mas no momento em que lhe foi oferecido o banco da frente, não encontrou nenhum argumento em sua engenhosa mente.

O rapaz ficou metade da viagem se lastimando por ter perdido a oportunidade de partir logo para cima da jovem presa. A outra metade da viajem ele dormiu.

Chegando a Ubatuba fez tudo certo. Carregou a bagagem da moça, puxou a cadeira para ela sentar na hora do almoço e fez algumas piadinhas que agradaram a todos.

À noite, ao se deitar, Marquinhos considerou positivo o saldo da jornada até ali. Sentia que a menina simpatizara com ele. Juliana o chamava pelo abusado apelido de “Ma”.

Chegou a noite. A casa não tinha forro e, tudo que acontecia num quarto era perfeitamente ouvido no resto da casa. Sofia e Rogério passaram boa parte da noite aproveitando a oportunidade de estarem longe dos pais, a sós numa cama de casal. Marquinhos descobriu, naquela verdadeira audição noturna, que Sofia não era tão recatada quanto imaginava.

O rapaz ficou um pouco incomodado com aquela sem-cerimônia do casal de amigos. Lembrou que Juliana, no outro quarto, estava ouvindo tudo assim como ele. Ficou ainda mais sem graça. Quando o dia quase amanhecia Marquinhos conseguiu finalmente um pouco de paz para dormir, o casal ao lado havia dado uma folga.

O sol prometido pela previsão do tempo veio ainda mais forte do que o esperado, a praia estava cheia. Cachorro, criança, milho cozido, bola de futebol, prancha de isopor... Tava tudo lá, mas Marquinhos só tinha olhos para Juliana.

A garota era realmente um estouro. Fartura onde cabia fartura e, comedimento onde cabia comedimento.

Ma, como dizia Juliana, sorvia com prazer a sua raspadinha de groselha e, quase engasgou quando a moça levantou-se e veio para o seu lado. Colocou a mão quente em seu ombro e pediu-lhe afobada:

- Ai Ma, pelo amor de Deus... Tá vendo aquele cara de sunga verde limão vindo pra cá?

Marquinhos nem teve tempo de responder e a garota continuou:

- É meu ex-namorado... Eu não quero falar com ele. Faz de conta que você é meu namorado, tá? Só prá ele não encher o meu saco.

Aproxima-se o rapaz da sunga verde limão e Marquinhos cumprimentou o rapaz com uma firmeza muito consistente:

-Oba! E aí? Tudo jóia?

O rapaz retribui a saudação de forma cordial e já foi pegando a mão de Juliana .

- Você não nos apresenta?

A menina, visivelmente perturbada pela presença do rapaz, sorriu amarela e fez a apresentação:

- Marcelo, esse é o Marquinhos, um amigo da Sofia. Marquinhos, Marcelo.

Partiram Juliana e Marcelo caminhando lado a lado pela praia, conversando sobre sabe-se lá o quê. Largaram o aturdido Marquinhos com o copo de raspadinha sabor groselha na mão.

Para esfriar a cabeça o moço resolveu entrar no mar. E a água estava deliciosa!

Quando voltou ao guarda sol, contou com certo ar de desinteresse sobre o tal Marcelo que havia chamado Juliana para um passeio. Sofia nem deixou Marquinhos continuar, foi logo sentenciando:

- Esses dois não podem se ver! Quando namoram só brigam, aí, quando estão brigados, é cada lua de mel...

A última esperança de Marquinhos era assim sepultada.

À noite os três jogaram cartas. Deram boas risadas e foram dormir. Juliana não tinha voltado para casa desde o encontro com Marcelo na praia.

Mal o rapaz colocou a cabeça no travesseiro e Sofia soltou o primeiro urro. O pesadelo de Marquinhos recomeçava. Travesseiro na cabeça não adiantava, já havia tentado na noite anterior. Levantou-se e deu umas voltas pelo quarto enquanto pensava numa solução. De repente arregalou os olhos, Aquele novo gemido era diferente. Não era o já tão habitual gemido de Sofia. Oh, não! Era Juliana!!!

Ma não conseguiu dormir a noite inteira. Quando um casal acabava o outro recomeçava. E vice-versa. Em alguns momentos os sons, gemidos e ruídos vinham ao mesmo tempo dos dois quartos.

Manhã do dia seguinte: os cinco sentados à mesa do café. Marquinhos com profundas olheiras. Os dois casais como se nada tivesse acontecido. Marcelo era da casa, totalmente à vontade com sua sunga verde limão.

Enquanto Marquinhos foi ao banheiro a fim de escovar os dentes, o telefone tocou. Era a tia Florinda, irmã mais velha da mãe das meninas.

Quando voltou à sala com hálito de creme dental as duas irmãs estavam preocupadas e discutiam:

- Mas não dá Ju, a tia Florinda ronca demais, parece um trem! No quarto onde ela dorme só se ouve o ronco dela. É um barulho ensurdecedor. Ninguém merece.

Marquinhos interrompeu a discussão. Com profunda alegria e alívio deu a decisão:

- Tia Florinda vem, e dorme no meu quarto.

- Mas...

O rapaz interrompeu enérgico:

- E não se fala mais nisso.

Naquela noite Marquinhos dormiu como um anjo, embalado pelo trem de tia Florinda.   

 

 

 

 

 

 

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV